Ribeirão na Rio + 20

O Brasil vive um momento de extrema importância para o futuro da humanidade. O mundo inteiro olha pra nós com esperança, na expectativa de propostas e soluções que permitam não só a melhora, mas a continuidade da vida. Passados 20 anos da Eco 92, milhares de pessoas voltam a discutir temas importantes para a sobrevivência do planeta.

Estive no Rio de Janeiro neste fim de semana para acompanhar os debates que estão acontecendo por lá e a importância deles para nós aqui do ABC e de Ribeirão Pires, em especial. A preocupação com temas como a crise econômica mundial e meio ambiente está por toda a parte, da Cúpula dos Povos ao Rio Centro, onde a ONU realiza o debate oficial com autoridades mundiais.

Para nós brasileiros, que temos hoje uma situação econômica capaz de levar mais de 40 milhões de pessoas à classe média e à aquisição de bens de consumo antes absolutamente inacessíveis, a Rio + 20 pode ser o caminho para conseguirmos planejar nossas cidades com mais empregos, renda e sustentabilidade. Partidos políticos, sindicatos e movimentos sociais engajados na luta pelo Desenvolvimento Sustentável estão atentos a esse processo e discutem paralelamente à cúpula oficial temas importantes para que o futuro mude para melhor.

Tecnologia e Inovação a serviço de melhor qualidade de vida para o cidadão; desenvolvimento, emprego e renda com sustentabilidade, são temas prioritários. Para o economista e professor da PUC, Ladislau Dowbor, em meio a crises e mudanças podemos gerar oportunidades. Como disse o professor, o momento é agora. Para nós de Ribeirão Pires, participar desses debates é muito importante, pois vivemos numa cidade com boa qualidade de vida, porém necessitamos criar novas e mais oportunidades de trabalho.

Em outro debate do evento,  o professor Glauco Arbix, presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), do Ministério de Ciência e Tecnologia afirmou  que, com criatividade e inovação, empresas preocupadas em competir internacionalmente têm de investir em pesquisa. Os Centros de Pesquisa de suas matrizes podem contribuir para gerar emprego e renda, melhorando a vida das pessoas em cidades como a nossa.

O aumento populacional e o consumo são outra preocupação na Rio + 20. Países ricos tradicionais defendem a contenção do consumo por parte dos países emergentes. O ex-presidente Lula e a presidenta Dilma não concordam com isso. Para eles, não é reduzindo o consumo que nos tornaremos um país rico, sem pobreza. O que precisamos, isso sim, é democratizar o conhecimento e elevar nossa capacidade de produzir com sustentabilidade. Em Ribeirão Pires, sementes plantadas de 1997 a 2004, como por exemplo a Agenda 21 Local demonstram a preocupação com a temática ambiental associada ao desenvolvimento sustentável de nossa querida cidade.

Maria Inês Soares

Compartilhe