O silêncio nem sempre é ouro

No início de junho, o secretário de Saúde e Higiene de Ribeirão Pires, Jorge Mitidiero, apresentou a OSSPUB, organização responsável por gerenciar o Programa Saúde da Família na cidade e que, pouco tempo depois, viria a assumir a gerência do Hospital São Lucas e das Residências Terapêuticas, após vencer licitação para ocupar a vaga deixada pelo Instituto Illuminatus.

Como tudo o que é novo, gerou curiosidade e não só pelo fato de ser novidade, mas também por ser de interesse público, afinal, todos precisam da Saúde, é uma área, literalmente, vital. Todos querem saber mais detalhes daquela que tem sob suas mãos uma responsabilidade enorme. Mas pelo andar da carruagem, parece que vão ficar querendo.

No mês passado, uma entrevista coletiva foi convocada para esclarecer o trabalho, porém, nem todo mundo foi convidado. Um dos jornais da cidade e uma jornalista responsável por um blog não foram chamados.

Como a área da saúde é muito instigante e complexa, uma coletiva não basta para tirar todas as dúvidas. Quem não participou, certamente ficou com muitas mais. No site do Mais Notícias, foram diversos os munícipes que enviaram uma série de questionamentos com o objetivo de conhecer melhor quem a qualquer momento irá atendê-lo. Sendo assim, nossa equipe de reportagem tentou buscar as respostas. Primeiro, é preciso passar pela assessoria de imprensa da OSSPUB, que por sua vez, repassa ao secretário Mitidiero, que analisará o teor das questões.  A espera pelo retorno está em quase um mês e, então, ficamos sabendo que funciona da seguinte maneira: se o conteúdo das indagações for do agrado, a OSSPUB pode responder; se não for, “boca de siri”.  A OSSPUB também não pode dar nenhuma declaração sem autorização de Jorge Mitidiero.

Os questionamentos por parte da população continuam e aumentam, afinal, a falta de respostas dá margem para que as pessoas tenham mais dúvidas e tirem suas próprias conclusões.  A Saúde deveria ser tratada com a máxima transparência, assim como todo setor público, pois além de ser algo como o próprio nome já diz – público -, é pago por cada cidadão e, por essa razão, tem todo direito de saber de que maneira seu dinheiro está sendo aplicado e de que ele retorne de alguma forma.

Quem não deve, não teme pergunta, seja a mais “cabeluda” que for, mas sim tem resposta imediata, clara e objetiva. Se a OSSPUB foi a melhor escolha, porque não exaltar os atributos dela? Dizem que o silêncio vale ouro, mas isso não cabe nesse caso.

Cada um pense o que quiser, ou o diálogo estará sempre aberto? Todos querem a segunda opção, mas parece que terão que se contentar com a primeira.

Compartilhe