O que estão fazendo com nossa história?

Destaque: Se há alguns anos celebrávamos as datas comemorativas com fervor, hoje já não é desta maneira

O último dia 13 de maio marcou os 125 anos da assinatura da Lei Áurea, que marcou a abolição da escravatura, regime de exploração de trabalhos forçados que vigorou durante as eras Colonial e Imperial no Brasil.

Assinada pela princesa Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Gonzaga de Bragança, ela colocou fim a um regime desumano e cruel que, por vias tortas, acabou sendo vital para a economia do país à época, que carecia de mão de obra principalmente para os trabalhos pesados da lavoura como a extração da cana e o trabalho nos engenhos. Como os religiosos eram contra a escravidão indígena mas fizeram vista grossa para a dos africanos, o sistema perdurou por quase 300 anos até que o crescimento do trabalho assalariado e a industrialização fizeram com que o fim do regime escravista se tornasse inevitável.

Usualmente, grandes fatos são lembrados apenas em datas “cheias” (as de final zero e cinco), mas dessa vez a data passou praticamente em branco. Nos grandes portais, nos jornais, telejornais, pouco se falou da história até mesmo como forma de honrar a luta de guerreiros nacionais como Zumbi dos Palmares e Chica da Silva e estrangeiros, como Martin Luther King, Muhammad Ali e Malcolm X, para citar alguns. Mesmo nas escolas, pouco se fala sobre o porquê destes “pontos vermelhos” no calendário.

Esse breve exemplo mostra que estamos maltratando a história do Brasil. Se há alguns anos celebrávamos as datas comemorativas com fervor, hoje já não é desta maneira. Dia da Abolição da Escravatura, Dia do Índio ou Dia da Bandeira já não são mais lembrados como se deveria, promovendo a reflexão sobre o real significado da homenagem. Verdade seja dita, hoje o Hino Nacional sequer é executado nas escolas, um reflexo da falta de bons modos, respeito e educação que, infelizmente, se generalizou.

Temos diversos feriados e dias comemorativos em nosso calendário que, no final, se tornam datas vazias, como o Dia do Trabalho e até mesmo o Natal que, de reunião familiar para celebrar o nascimento de Jesus Cristo, passou a ser mera data comercial. A sociedade precisa rever alguns conceitos antes que seja tarde demais. Caso contrário, ela não estará enterrando não só sua história, mas sim colocando um ponto final em sua própria existência.

Compartilhe