É o sujo falando do mal lavado…

Por Gazeta

Na edição do último dia 2, sexta-feira, a Folha de Ribeirão Pires, na seção “Dizem Por Aí”, que dizem não afirmar nada, apenas fofocar, foi publicado que estaria sendo descontado em folha dos servidores municipais 6% dos salários para o PMDB, partido do prefeito, sem mencionar que o citado desconto só poderia ser feito mediante autorização por escrito dos funcionários em questão que, por sua vez, seriam comissionados. É mais uma vez a história de se contar somente a metade dos fatos, deixando margem para interpretações maldosas.

Mas já que estamos falando de desconto em folha, que tal discutir a legitimidade deste procedimento para outro fim? O mesmo expediente está sendo utilizado em prol do mesmo jornal, a Folha de Ribeirão Pires (vulgo “Azulzinho”) que, segundo documento ao qual tive acesso, desconta R$ 350 mensais por conta de publicação de “Anúncios em Jornal”, matérias pagas exibidas nas últimas edições do impresso como as da mesma edição da última sexta-feira, na página 6 diretamente no hollerith de vários vereadores da nossa Câmara.

Não temos absolutamente nada contra a publicação de matérias pagas em órgãos de imprensa, uma pratica comum e aceita mundialmente, mas é no mínimo estranho o procedimento de ser feito desconto em folha. Será que está tudo dentro da lei? O que o Tribunal de Contas do Estado, órgão que fiscaliza as contas do Legislativo pensaria a respeito disso, já que deve haver um contrato firmado para este procedimento (ou convênio) ser válido?

Como se vê, são dois casos parecidos, só que um trata de fundo partidário, regido por leis, enquanto outro serve à arrecadação em favor de uma empresa privada. Para encerrar, vou deixar claro que não estou acusando ninguém de qualquer crime, apenas divulgado “com provas” o que “ocorre por aí” nos bastidores da política ribeirãopirense.

Compartilhe