DA DESCRENÇA A OMISSÃO

Às vezes quero escrever e me sinto inseguro. Por quê? Será que não estou dizendo o que todo mundo já sabe?  Será que quem precisa ouvir me ouvirá?  Será que entenderão o que estou dizendo? Ou devo tentar simplificar o meu vocabulário ao nível de uma criança de dez anos para que alguns me entendam? Será que conseguirei isso? Sei que haverá discordâncias, que alguns serão contra o que estou dizendo, por mais clara e verdadeira minha argumentação possa parecer para mim. Tenho ouvido declarações as mais absurdas que eu possa imaginar, sobre vários temas. Alguns, por exemplo, tratam a política com a mesma paixão que tratam times de futebol. Exemplo: “Tudo o que o meu partido e o líder do meu partido disser eu apoiarei. Tudo que eles disserem é verdade.” “Se os líderes do meu partido disserem HOJE que PAU É PEDRA, simplesmente porque estão na oposição, indo contra a verdade dos fatos, e AMANHÃ, quando estiverem na situação, disserem o contrário disso, ou seja, que PAU NÃO É PEDRA eu acreditarei em ambas as frases, embora sejam absurdas contradições. Afinal de contas, se “meu líder partidário, pretenso dono da verdade absoluta,” disser que dois mais dois são quatro, e amanhã diga que dois mais cinco são seis, eu vou acreditar nas duas afirmações? Pois é! Essa é a lógica que predomina na política partidária atual e que faz com que muitos, desistam de atuar diretamente na política como candidatos a qualquer cargo, embora tenham um excelente potencial. Alguns até tentam, mas acabam desistindo ao verem como funciona a política  tradicional brasileira e de muitos outros países. Desanimam ao perceberem que vão precisar acender uma vela a Deus e outra ao Diabo, se quiserem fazer carreira nessa política.

Daí vem a descrença, frustração e até depressão por vermos os nossos mais legítimos valores e ideais, em defesa nossa e daqueles que virão após nossa morte, serem tratados como lixo pelos oportunistas e desonestos que se consideram muito espertos.

Será que não é hora de acordarmos, deixar a omissão de lado e lutarmos para mudar isso que aí está? Outros países mudaram. O Brasil também mudará um dia, se não houver omissão e descrença absoluta da maioria do povo, a começar por cada um de nós.

 

Por Nelson Camargo

Compartilhe