“Ajudando” os animais de rua

Por Gazeta

Entre muitas coisas que fazem o Centro da cidade se assemelhar a um “cortiço”, estão as tais casinhas para os cachorros como se vadios, não bastasse a falta de educação de parte do povo que atira lixo às ruas, as pichações, os marreteiros, os desocupados, etc.

Existem na cidade, duas ou três ONG’s que acolhem e cuidam de cães sem dono. Trata-se de pessoal preparado e dedicado que alimenta, banha, exercita, vacina, castra, e até mesmo cura quando é o caso. Essas ONG’s precisam de voluntários para auxiliar em suas atividades, bem como doações de ração, remédios, material de limpeza e dinheiro para pagar funcionários e outras despesas. Entretanto pessoas bem intencionadas que dizem ter dó desses animais nas ruas, dão-lhes água, comida e até mesmo “casinha” em locais públicos, onde os mesmos – além da possibilidade de se contaminar e transmitir doenças (a noite ratos comem os restos de comidas deixadas pelos cães), podem atacar alguém que tropecem neles ou simplesmente tendem a afagá-los. Outro dia mesmo, eu tropecei num desses animais dentro de um banco, quase sofri um acidente e o animal ainda rosnou para mim.

Não vou aqui chamar a atenção das autoridades para o caso porque já sabemos a resposta que irão dar, mas me permito sugerir: que tal tentar fazer a coisa certa: contatar uma dessas ONG’s para que recolham o animal, apadrinhá-lo através de doações e visitas, e talvez permitir a ele que possa vir a ser doado e passar a ter uma família que o ame e cuide, ao invés de ser um morador de rua, em condições degradantes e de risco para si e para os que utilizam o espaço público?

Compartilhe