Audiência Pública discute rumos da educação de Ribeirão Pires

Ontem à noite, a Secretaria de Educação e Inclusão de Ribeirão Pires promoveu audiência pública para avaliar os primeiros meses de trabalho da pasta nesta gestão com Câmara Municipal lotada e a presença de diversas autoridades, como os vereadores Gabriel Eid Roncon, Renato Foresto, Banha e Anderson Benevides, a secretária de assuntos jurídicos Rosana Figueiredo, além da supervisora da Apraespi, Lair Moura e de representantes dos professores, como as professoras Perla de Freitas, Mara e Neusa Nakano.

Secretária Leonice Moura conduziu discussão

Presidido pela secretária e vice-prefeita Leonice Moura, o encontro se iniciou com uma prestação de contas que apontou alguns dados importantes sobre o setor, como o número de alunos atendidos (8532), de funcionários (1857) e também o déficit de vagas em creches (Educação Infantil de Período Integral) na cidade, que hoje é de 384 vagas, sendo os bairros com maior carência o Parque Aliança (85 vagas), Centro Alto (80) e Centro (68). Houve a apresentação de melhorias realizadas, como manutenção de veículos e compra de equipamentos e também planos futuros, como a implantação de Plano de Carreira para os professores, a construção de novas creches e escolas, a compra de dois planetários e novos brinquedos para as escolas.

A seguir os responsáveis pelas áreas responderam aos questionamentos do público. A secretária iniciou falando sobre a parceria com o Instituto Ayrton Senna, que será desfeita até o ano que vem, por não atender a todos os alunos da rede municipal. Ela também explicou que estão previstas melhorias nos rendimentos dos docentes, “os menores da região” e também a contratação de mais profissionais para cidades vizinhas: “perdendo professores, perdemos a qualidade”.  Os docentes, aliás, estiveram no centro das discussões, levantando diversos problemas do setor na cidade. Também entraram em pauta itens como o transporte escolar, por exemplo. Outro a participar foi o juiz de direto Dr. Glauco Costa Leite, do Juizado Especial Cível e Criminal, que ressaltou a importância da educação para a diminuição da criminalidade. “Muitas vezes, problemas na educação se refletem em problemas sociais que, no futuro viram problemas no Fórum. Esta discussão é positiva e mostra uma postura muito transparente da Administração em tudo o que envolve”, afirmou, antes de ressaltar que “o poder judiciário está aberto para discutir a comunidade”.

A secretária Leonice Moura concluiu: “acho que a audiência foi muito produtiva. Primeiro, temos a obrigação de mostrar o que estamos fazendo, além de ouvir as propostas e críticas para crescermos. Essa discussão norteia o planejamento para ações tanto para o segundo semestre quanto para o ano que vem”.

Compartilhe