Parque Escola promete mudar educação de Ribeirão Pires

Em entrevista coletiva concedida ontem, a secretária de Educação e vice-prefeita de Ribeirão Pires, Leonice Moura (PSC) e o secretário de Meio Ambiente Temístocles Cristófaro, apresentaram um projeto que promete trazer uma verdadeira revolução para o sistema educacional de Ribeirão Pires, o Parque Escola Ambiental.

Projeto foi apresentado ontem por Leonice Moura, secretária de Educação e Temístocles Cardoso, do Meio Ambiente

A ideia do projeto conjunto entre as pastas é incentivar a Educação Ambiental na cidade, em um complexo aberto que contará com diversas estruturas como brinquedoteca, teatro de arena, horta, observatório de pássaros, quadra e também coleta seletiva, atendendo tanto aos alunos como a comunidade aos finais de semana em uma espécie de “CEU Ambiental”. Além disso, o equipamento terá instalações com vistas à sustentabilidade, como reuso de água e descargas ecológicas, por exemplo, sempre ressaltando o lado pedagógico de tais atitudes.

A cidade deve ganhar a primeira unidade em breve, na escola municipal Palmira Antonio Pereira, em Ouro Fino Paulista. A unidade que foi apresentada, na Escola Municipal João Midolla, na Quarta Divisão, será maior e contará com todos os recursos que o sistema pode oferecer, em investimento que chegará a R$ 1 milhão, compartilhado entre as pastas e também com recursos estaduais. “São projetos que contam com auxilio do Fehidro, Fundo Estadual de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo”, explicou Temístocles.

“Antigamente, a escola era a comunidade. Com o passar do tempo, ela foi reduzida a um prédio fechado, especialmente nas grandes cidades. Ribeirão Pires tem uma grande área verde, temos que unir esforços para aproveitar e dar a formação que sempre quisemos”, explicou a secretária Leonice, ressaltando que, neste formato, a educação ambiental será transversal, ou seja, fará parte de todo o currículo.

“Nossa cidade propicia fazer muita coisa diferente, inclusive na educação. A criança motivada a aprender pode transcender e através da educação ambiental você consegue trabalhar todas as outras áreas. É uma área motivadora, que trabalha todas as outras através de uma única ação. Com isso, poderemos fazer com que a criança adquira mais conhecimento e habilidades, ampliando os horizontes de conhecimento”, explica Leonice.

“A criança poderá ter contato e saber o que é, por exemplo, o aquecimento solar, se conscientizando do que acontece com o meio-ambiente. A criança poderá vivenciar na prática e se preocupar com isso em casa. Estaremos criando difusores na questão da consciência ambiental, da preservação”, completou o secretário Temístocles.

Leonice concluiu falando das diferenças entre a educação tradicional e a que está sendo proposta: “dentro da sala de aula, você tem a carteira, a lousa, as mesas e, se você não tiver um computador que você possa acessar a internet e mostrar, por exemplo, o que é uma árvore e componentes de árvores, você não tem nada. Fora da sala, o professor tem o mundo. Pode-se mostrar tudo ao vivo, de uma forma ilimitada”.

Parceria – O trabalho conjunto entre as pastas foi fundamental para que o projeto pudesse ganhar vida. Os secretários ressaltaram a importância da parceria e  do trabalho diferenciado, que permite um resultado final melhor e mais rápido: “Existe uma tendência de que cada secretaria trabalhe separadamente. Mas nós temos esse perfil, de trabalhar em conjunto para que o resultado chegue mais rapidamente. Eu acredito muito na parceria. Quem sabe esse nosso projeto possa servir de exemplo para outros municípios. Nossa preocupação é com a formação das crianças, esse é o nosso compromisso. Acredito que essa união de esforços será muito proveitosa para as crianças, já que permite que se faça o necessário mais rápido”,

Leonice Moura.

Compartilhe