Novembro Azul – Juntos na luta contra o Câncer de Próstata

Por Dr. Renato Holcman, urologista do Hospital Ribeirão Pires

Dr. Renato Holcman, Urologista

Dr. Renato Holcman, Urologista

O câncer de próstata é a neoplasia maligna mais comum entre os homens e tem números superiores ao do câncer de mama, o mais comum no sexo feminino. A detecção precoce do câncer de próstata é considerada importante, pois, na fase inicial, 90% dos casos são curáveis. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca – 2014), o estado de São Paulo tem uma incidência de 85,24 casos de câncer de próstata para cada 100 mil homens, enquanto que o câncer de mama incide em 73,21 mulheres para cada 100 mil.

Pesquisa realizada pelo Datafolha para a Sociedade Brasileira de Urologia em 2009, constatou que o preconceito com o exame de toque retal ainda é grande no Brasil. Apenas 32% dos homens brasileiros declararam já ter feito o exame.

A incidência do câncer de próstata vem crescendo no país e isto se explica pela melhora no diagnóstico e também pelo envelhecimento da população, implicando em maior tempo para o aparecimento da doença. Ou seja, antigamente as pessoas morriam por diversas razões antes do surgimento do câncer de próstata.

Em fases iniciais esses tumores não costumam provocar sintomas e são descobertos devido à elevação do PSA (exame de sangue) ou alteração no toque retal. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, em seu protocolo atualizado em 2013 deve-se iniciar a investigação ativa aos 45 anos para homens com casos na família, e 50 anos para os demais. Portanto é muito importante que se conheça seu histórico familiar, pois pacientes que tem parentes de primeiro grau acometidos tem um risco maior de desenvolver o câncer em relação ao restante da população.

Por se tratar de um tumor silencioso em sua fase inicial, ou seja, não provoca dor, sangramento ou alterações para urinar, a única maneira de se realizar um diagnóstico precoce é a busca ativa em todos os homens, também denominado screening. Este deve ser realizado com o exame de PSA e, quando indicado, com o toque retal.

Os motivos que sustentam a realização dos exames preventivos são:

– O tumor de próstata ter normalmente um crescimento lento;

– Existem exames que são efetivos em detectar o tumor precocemente;

– É assintomático nas fases iniciais;

– Trata-se de doença com relevância clínica – a evolução para câncer avançado ou metastático pode representar sofrimento e dor;

– Os exames de diagnóstico são reprodutíveis e amplamente disponíveis em qualquer centro médico básico.

No entanto, alguns trabalhos epidemiológicos não comprovam menor taxa de mortalidade com a realização dos exames rotineiros do câncer de próstata. Neste aspecto reside a controvérsia quanto à sua realização.

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda o rastreamento e preconiza o diagnóstico precoce como a melhor forma de prevenção da doença e consequente aumento das taxas de cura.

Em relação aos fatores de risco do câncer de próstata, podemos atuar nos fatores ambientais, já que ainda não conseguimos alterar fatores hereditários. Recomenda-se uma dieta adequada (rica em fibras e com pouca carne, principalmente embutidos), associada a um estilo de vida saudável, como atividade física e ausência de tabagismo. Ressalta-se que a saúde do homem é um tema muito maior do que somente o câncer de próstata. Cada paciente deve realizar exames que sejam indicados de acordo com seu histórico clínico e familiar além de exames específicos para sua idade.

Em conclusão: todo homem deve ter o hábito de frequentar um consultório médico ao menos uma vez ao ano, principalmente após os 45 anos, e buscar práticas saudáveis ao longo de toda a vida, com uma alimentação equilibrada, atividade física rotineira, ausência de vícios e controle do estresse e ansiedade. Desta maneira ganharemos vidas com saúde.

Compartilhe