Nova gestora do São Lucas não é bem avaliada pela ANS

A Associação de Beneficência e Filantropia São Cristóvão, atual gestora do Hospital e Maternidade São Lucas mantém um histórico negativo de atuação. Segundo dados da Agência Nacional de Saúde (ANS), no mês de maio, a entidade foi classificada como a 13ª pior operadora de serviços voltados à Saúde do Brasil. Em abril, a Associação ocupava a posição 19.

Entidade trabalha para reverter o cenário negativo

Dentre os principais motivos de reclamações destacam-se: Gerenciamento de ações (autorizações de atendimento), rede conveniada e rescisão de contrato. Juntos esses três itens representam 60% do total de reclamação.

O Índice Geral de Reclamações da ANS apresenta um termômetro do comportamento das operadoras do setor no atendimento hospitalar aos problemas apontados pelos beneficiários. Contempla o número médio de reclamações de usuários recebidas nos três meses anteriores e classificadas até a data de extração do dado.

O site Reclame Aqui (levantamento dos últimos 12 meses), registrou que o grupo São Cristóvão Saúde recebeu 229 reclamações, atendendo 222 demandas. Segundo o site, o Grupo solucionou apenas 65,7% dos casos apresentados. Além disso, a entidade possui 23.100 processos na Justiça, acumulados desde 2004. Só em 2017, a Associação São Cristóvão figura como ré em 11 processos, dos quais destacam-se 03 por plano de saúde, 02 por danos morais e 01 por cláusula abusiva em contrato.

Em nota, o grupo São Cristóvão se defendeu informando que o índice de reclamações apontado pela ANS não só aponta as insatisfações dos beneficiários, mas também as dúvidas e indagações. “Estamos sempre abertos aos questionamentos e demais manifestações, afinal, nossos beneficiários são esclarecidos quanto aos seus direitos e deveres. E essa é a oportunidade que temos para corrigir eventuais falhas nos nossos processos. Então consideramos o apontamento do índice como uma grande oportunidade, e nossa média de arquivamento dessas demandas tem sido de cerca de 95%”, afirmou o presidente do Grupo, o engenheiro Valdir Pereira Ventura.

Desde o início desta semana a Associação Filantrópica fornece equipe médica ao Hospital e Maternidade São Lucas em uma parceria inédita na cidade. Além de Ribeirão Pires, contrato semelhante é ou já foi operado nas cidades de Campos do Jordão, Taboão da Serra, Embú-Guaçú, São Caetano do Sul, Rio Grande da Serra e São Paulo.

Em 2016, a ANS divulgou lista com as 20 operadoras de saúde mais reclamadas do Brasil. A mesma São Cristóvão, então em 5º lugar, foi proibida de vender planos de saúde por conta de excesso de problemas no atendimento oferecido pela operadora.

 

VERSÃO ATUALIZADA EM 7 DE JULHO (18H35).

 

Compartilhe