Na surdina, Prefeito tenta transformar rodoviária antiga em mini-shopping

Na série de projetos enviados à Câmara pelo Executivo um, em especial, chamou a atenção: a destinação da área da antiga rodoviária, localizada no Centro Velho de Ribeirão Pires, local que já foi alvo, inclusive de manifestação contrária por parte do Mais Notícias, na Edição 493, quando da intenção de transformá-lo em um Mercado Municipal.

Novo projeto foi enviado à Câmara pelo Executivo sem consulta à população

À época, promovemos, inclusive, uma enquete na capa do Jornal e, sem surpresa, quase 90% dos votantes refutaram a idéia. Agora, em pleno recesso da câmara, a Prefeitura preparou um “presentão“ de Natal para a população que, se não terá um Mercadão, terá agora vários “Mercadinhos”.

No projeto de Lei 094/2011, a Administração pede autorização para concessão onerosa da antiga Rodoviária para a construção de diversos espaços comerciais que, ao final, formarão um Centro Comercial (ou Mini-Shopping, como já chamam alguns), “um novo e moderno espaço”, “local onde os munícipes podem se orgulhar de viver”, segundo o texto.

A idéia é que os espaços sejam concedidos por 360 meses (30 anos) aos candidatos que oferecerem o maior Valor Total, que é a somatória do Valor Mensal de Concessão, mais a Taxa Inicial, sendo que os concessionários serão responsáveis pela construção dos espaços comerciais, de acordo com termos a serem estabelecidos pela Prefeitura que, por sua vez, será responsável pela infra-estrutura das áreas comuns. Grosso modo, seria uma reedição da Vila do Doce ou ainda uma maneira de ressuscitar o Shopping Center, um dos projetos que não vingaram, em uma escala menor.

O Jornal Mais Notícias defende um uso mais adequado à área do que uma área de Zona Azul dominada por guardadores de carro nas horas vagas intercalada por uma feira livre semanal. Nossa sugestão, que reiteramos, é a de uma praça, com uma área de prestação de serviços idéia que, diga-se de passagem, foi encampada por vários munícipes e até mesmo a nossa co-irmã Voz de Ribeirão Pires, que veiculou o projeto de um deles, Lucas Liles, que implantaria várias estruturas, inclusive de prática esportiva e cultural, no local.

Em suma: não é a vontade deste Jornal, mas sim de Ribeirão Pires, que o local seja de lazer e utilidade pública, justamente pela área central ser deficiente neste sentido e, verdade seja dita, já há diversas estruturas erguidas neste sentido, algumas delas sem uso, como as da Estação Ferroviária e da Praça José Elias Fernandes, entre as Ruas Major Cardim e Olímpia Catta Preta, no Centro Alto. A cidade, verdadeiramente, precisa de mais uma?

Compartilhe