Multa para quem estaciona em vagas reservadas tem aumento de 140%

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiu aumentar a punição para os motoristas que costumam estacionar indevidamente nas vagas especiais reservadas a idosos e pessoas com deficiência. A multa para esse tipo de infração está 140% mais cara desde o dia 7 de janeiro. E, se tornou categoria grave, com retenção de 5 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O valor que era de R$ 53,20 passa para R$ 127,69

O valor que era de R$ 53,20 passa para R$ 127,69

Com isso a fiscalização passa a ser mais rigorosa, valendo não só para vias públicas, como em estacionamentos privados de uso coletivo: supermercados, shopping, aeroportos, entre outros. No entanto, nesses casos, as administrações desses empreendimentos precisam contatar o departamento municipal de trânsito, pedindo que algum agente vá até o local.

A reportagem do Mais Notícias entrou em contato com o Supermercado Extra de Ribeirão Pires e conversou com o gerente local, que afirmou não estar ciente da reformulação da lei, mas destacou a sua importância: “nosso estabelecimento recebe diariamente diversas pessoas, mas nós sabemos que muitos não respeitam as vagas reservadas. Até mesmo as filas preferenciais, eles entendem, mas não respeitam. Então, talvez sentindo no próprio bolso, respeitem”.

“A falta de vigilância nos locais particulares não deve ter o resultado que se propõe”, julgou a aposentada Marilene Mendes. Para o aposentado Rodrigo Coelho, a falta de respeito é lamentável. “Estou cansado de ver o desrespeito das pessoas, muitos ainda se acham no direito”, reclamou o motorista.

Vale ressaltar que os veículos estacionados nas vagas reservadas deverão portar identificação e ser colocada em local de ampla visibilidade, confeccionado e fornecido pelos órgãos de trânsito, caso contrário, o motorista sofrerá sanções previstas no Código de Transito Brasileiro.

“Eu acredito que a fiscalização tem que partir do próprio indivíduo, pois esse é um direito e um dever de todos os cidadãos”, afirmou a estudante de comunicação Micaela Benário.

Compartilhe