Indústria da multa segue à todo vapor

Na última terça-feira, o editor do Mais Notícias, Antônio Carlos Carvalho da Silva, o Gazeta, foi surpreendido com a chegada de duas multas similares à sua residência, emitidas pelo Departamento de Trânsito de Ribeirão Pires, uma por falta de cartão de estacionamento e outra por parar em um local destinado a carga e descarga no centro da cidade, ambas infrações do tipo leve, rendendo três pontos na carteira.

Sinalização incorreta induz erros

Gazeta, entretanto, estranha o fato de terem sido aplicadas em um intervalo de 18 minutos, em locais distintos, o número 50 e o número 72 da mesma via e isso, somado a uma série de multas que tem recebido nos últimos tempos lha dá a impressão de ser algo pessoal: “tenho sido vítima de implacável perseguição por parte dos agentes de trânsito, comandados pelo secretário José Vicente de Almeida Moraes. Quero acreditar que não, mas a coisa parece advinda de instância superior”.

Inconformado, ele segue: “estas duas multas aplicadas no mesmo local, quase na mesma hora e por infrações distintas é descabida. Ou me multam por falta de cartão ou por usar vaga de carga e descarga”, afirmou.

De fato, em visita ao local, pudemos constatar que, de fato existe uma vaga de carga e descarga em frente ao número 72 e a Zona Azul, que está em frente ao número 50. Entretanto, se a legislação não obriga a usar cartões específicos para carga e descarga e o carro ficou na mesma vaga, por lógica apenas uma das multas poderia ser aplicada.

Em outra oportunidade, ele relata ter sido multado na Rua Padre Marcos Simoni, próximo ao Fórum, por ter estacionado em frente a uma placa indicativa a uma parada de ônibus, que estava virada e, consequentemente, com visualização bloqueada. Da mesma maneira, outra placa próxima, indicativa de lombada, também estava virada no sentido contrário ao fluxo. “Os agentes de trânsito deveriam estar atentos também a essas irregularidades que induzem eles próprios ao erro”, afirmou.

Guardas aplicaram multas questionáveis na Afrânio Peixoto

Gazeta concluiu: “sou preso por ter cachorro e por não ter cachorro. Assim não dá. Se o secretário pensa que está me intimidando, está redondamente enganado”.

O Mais Notícias deixa o espaço aberto para a manifestação tanto das autoridades de trânsito quanto de leitores que tenham problemas similares. O nosso e-mail é redacao@maisnoticias.inf.br.

Compartilhe