Casos de tuberculose têm queda, mas doença é a 4ª causa de óbito

Dados do Ministério da Saúde (MS) revelam que, pela primeira vez, os casos de tuberculose foram inferiores a 70 mil. O número de casos registrados no último ano caiu 3,54%: foram 71.790 (2010) contra 69.245 (2011).

Tosse por mais de três semanas, com ou sem catarro, é o principal sintoma da tuberculose

O Sudeste é a região brasileira que registrou a maior redução da taxa de incidência de tuberculose no ano passado, passando de 40,6 casos para cada 100 mil habitantes em 2010 para 37,6 casos em 2011. Na cidade de Ribeirão Pires, foram diagnosticados, no ano passado, 35 casos de pessoas com a doença. Um paciente morreu por algumas complicações, inclusive tuberculose. Em 2012, até o momento, o Ambulatório de Infectologia diagnosticou cinco novos casos de tuberculose. Atualmente, 13 pessoas estão em tratamento.

Munícipes que têm interesse em saber mais sobre o assunto podem procurar, durante todo o ano, as unidades de saúde do município. Pessoas que tenham os sintomas da doença também devem procurar as unidades ou o Ambulatório de Infectologia para fazerem o exame gratuitamente.

Em Rio Grande da Serra, 10 pacientes estão em tratamento contra a tuberculose. A Secretaria de Saúde ressalta que a procura por diagnóstico pode ser feita em qualquer unidade de saúde e que, para solicitar o exame laboratorial que confirma a doença,
não é necessário passar por consulta médica – o enfermeiro pode solicitar o
exame, cujo resultado será avaliado por um médico.
Apesar dos avanços, a doença ainda preocupa as autoridades de saúde. No país, a tuberculose representa a quarta causa de óbitos por doenças infecciosas e a primeira entre pacientes com AIDS. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda que seja realizado o teste anti-HIV em todos os pacientes com a doença. Em 2010, 60,1% dos casos novos foram testados para HIV.

Desafio – O principal indicador utilizado para avaliar as ações de controle da tuberculose é o percentual de cura dos novos casos.  Uma das metas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é identificar 70% e curar, pelo menos, 85% dos casos, como medida para começar a reverter a situação da tuberculose.

Em 2010, o Brasil detectou 88% dos casos, no entanto, o alcance do percentual recomendado pela OMS para a cura ainda é um desafio. De 2001 a 2004, o país aumentou o indicador de cura, porém – a partir de 2005 – houve uma estabilização, com índices de 73,5%, em 2009, e 70,3%, em 2010.

Sintomas – A tosse por mais de três semanas, com ou sem catarro, é o principal sintoma da tuberculose.  Qualquer pessoa com este sintoma deve procurar uma unidade de saúde para fazer o diagnóstico e, caso for confirmada a doença, o tratamento deve ser iniciado imediatamente para que a cadeia de transmissão seja interrompida. Para o paciente conseguir a cura, deve realizar o tratamento durante seis meses, sem interrupção. O tratamento é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Compartilhe