Câmara aprova Reforma Administrativa

A sessão de ontem da Câmara dos Vereadores foi, como se dizia antigamente, um “caldeirão de emoções” por conta dos projetos que seriam apreciados no dia, em especial dois que tratavam de um convênio entre Prefeitura e Apraespi e a tão aguardada Reforma Administrativa e também pelo retorno de Mercedes D’Orto às atividades parlamentares após afastamento por problemas de Saúde.

Demora no início faz parte do público abandonar a sessão antes do início

O primeiro deles, aliás, movimentou uma grande quantidade de pessoas, entre mães e funcionários da Apraespi que acompanharam a supervisora, Lair Moura, à Casa para acompanhar a apreciação do projeto. Entretanto, como a Prefeitura enviou nada menos do que onze projetos em regime de Urgência Especial para a Casa, a sessão atrasou 1h10 para seu início. Irritados com a demora, todos eles deixaram a Câmara exatamente as 11h16, afirmando que a demora para início dos trabalhos era “falta de respeito com a população”.

O presidente Banha começou a sessão se desculpando e explicando o motivo do atraso, que foram emendas feitas pela Casa a alguns dos projetos em questão. Iniciados os trabalhos, a votação transcorreu normalmente. No caso da Reforma, houve uma emenda para alteração de nomenclatura da Secretaria de Educação e Inclusão que agora também agregará o “sobrenome” Tecnologia.

A outra parte, que trata do plano de Cargos e Salários, teve voto contrário por parte de Renato Foresto (PT) que não gostou do fato de um projeto tão complexo ter chegado à Casa de Leis na véspera da votação, alegando que a mudança de dia e horário das sessões se deu justamente para que fosse possível discutir melhor as proposições e não ter que votá-las às pressas. Ele teve sua fala endossada por Flávio Gomes (MD) que, embora favorável, pediu mais tempo para analisar as proposições. Hercules Giarola (PR), preferiu exaltar o lado positivo, que abrange reajuste para o funcionalismo e também o fato de que há cortes que irão reduzir o impacto sobre os cofres públicos. Com a aprovação do projeto, a Prefeitura deve realizar a contratação de comissionados (cerca de 50) para posições estratégicas nos próximos dias.

Compartilhe