Boato sobre Volpi no PSD causa frenesi em Ribeirão Pires

Na última semana, um rumor causou grande furor no meio político da cidade: a de que o prefeito Clóvis Volpi estaria de mudança para o PSD, presidido em Ribeirão Pires por Koiti Takaki, em uma articulação que teria a participação do presidente da Câmara dos Vereadores de São Paulo, vereador José Police Neto, também filiado à mais nova legenda do Brasil.

Prefeito esteve no “olho do furacão” por suposta troca de legenda

O Jornal Mais Notícias averiguou a informação, que poderia mudar todo o cenário que estava sendo desenhado para o pleito do ano que vem, uma vez que, automaticamente, tornaria Saulo Benevides (PMDB) o pré-candidato apoiado pela legenda, como o candidato governista.

Questionado, o presidente da Câmara, Gerson Constantino, que trocou o PV pelo PSD, não confirmou a história, mas ressaltou que “não teria nada contra”, já que não há conflito entre ele e a legenda: “eu deixei amigos por lá”, afirmou, antes de completar: “é um político importante, com 35 anos de carreira”. Entretanto ele fez uma ressalva: “mas, se isso acontecer, há alguns pontos que devem ser conversados”. É importante lembrar que a troca de legenda se deu porque ele já não se sentia à vontade no PV e buscava mais espaço.

Outro a falar foi o presidente municipal da legenda, Koiti Takaki, que foi categórico e fechou as portas para o atual prefeito de Ribeirão Pires: “eu jamais assinaria a filiação de Volpi ao PSD”. O vereador, que também é dissidente do PV, disse mais: “Clóvis não tem espaço no partido. Isso é apenas uma tentativa de desestabilizar a oposição. Não há nada de verdade nisso. Ele sequer acreditava que o PSD seria fundado”.

Koiti também aproveitou o ensejo para questionar a gestão atual: “ele não está administrando a cidade como deveria”, disse, antes de questionar o prefeito e relembrar uma antiga história: “Além de ser uma pessoa que não cumpre acordos, não está nem conseguindo compor sua chapa. A verdade é que ele não vai ficar no PV, vai sair voando e deixar o partido como começou, ou seja, sem nada. Em 2004, em uma reunião, me opus à sua filiação ao partido, dizendo que o Clóvis iria afundá-lo em Ribeirão. O PV está colhendo o que plantou”, desabafou.

As palavras de Koiti, por sinal, também foram endossadas por uma fonte da direção do PSD, em São Paulo, que reiterou o fato de a legenda “já estar forte em Ribeirão Pires”, sendo que tem “três vereadores e um deles é presidente da Câmara”. Com isso, a mesma pessoa fez questão de ressaltar: “não há espaço para Clóvis Volpi no PSD”.

Isso posto, já era possível concluir que o boato teria tomado proporções grandes, mas não passaria de um boato. Faltava ouvir o principal personagem da história, o próprio Clóvis Volpi, que tratou de esclarecê-la: “o (José) Police Neto é meu amigo de longa data. Apenas me encontrei com ele cordialmente e já falaram que estava mudando de partido”, contou.

Entretanto, ele não negou que possa deixar o PV: “não diria que estou firme e forte no partido. Existem algumas coisas que devem ser acertadas”. Desta forma, chega ao fim uma das histórias mais polêmicas e inusitadas deste período pré-eleitoral – ainda que muitas outras ainda estejam por vir.

Compartilhe