Abandono ou amparo

O anoitecer é associado a descanso para a maioria das pessoas. Para protetores de animais e abrigos é sinônimo de TENSÃO, MEDO, INSEGURANÇA, tudo pode acontecer..
Neste horário ocorrem 90% dos abandonos nas portas destes locais e no AJUDANIMAL não é diferente. Muita gente, que não convive com esta triste realidade diariamente, chega a fazer criticas aos protetores, dizendo que se não tem espaço e dinheiro, porque continuam resgatando.

No Dia dos Animais, deixaram em nossa porta uma cadelinha praticamente agonizando

Se analisarmos friamente, seria o mais sensato a fazer: não recolher mais animais até a situação se estabilizar, porém, o que fazer diante de fatos como este?
No Dia dos Animais, deixaram em nossa porta uma cadelinha praticamente agonizando, de tenra idade que já desde cedo conheceu o descaso e o abandono. Corremos a oferecer os primeiros socorros, mas infelizmente ela não resistiu. Mal nos recuperamos do fato, e no dia seguinte uma caixa imensa foi deixada em nosso portão, mas felizmente só havia duas fêmeas assustadas que logicamente, amparamos.
Como virar as costas? Como pensar na falta de espaço e de dinheiro diante de olhares pidões e assustados? Não tem como!
Os abrigos estão lotados, endividados, sempre pedindo ajuda devido a fatos como este, que são reflexos de uma sociedade sem coração, sem afetividade, sem punição.
Nos perdoem o desabafo, mas para protetores de animais a rotina é bem diferente da que tem uma pessoa que não vive esta realidade todos os dias. O cair da noite é o pior horário para nós.
O menor ruído, a menor agitação dos cães que aqui se encontram, podem ter certeza: Tem animal em caixa de papelão no portão!
Dia 04 de outubro foi uma, dia 05 duas, amanhã… Bem, amanhã é outro dia… Vivemos um dia de cada vez.

Lembrem-se ABANDONO DE ANIMAIS É CRIME – LEI FEDERAL 9605 – DENUNCIE!

Somente denunciando estas pessoas sem coração e responsabilidade conseguiremos minimizar o problema de animais abandonados na nossa cidade. Não se omita, pois quem o faz é tão culpado quanto a pessoa que abandonou!

CECILIA BENTINI – DIRETORA GERAL – AJUDANIMAL

Compartilhe