Hora Certa: mostradores do relógio do Paço estão corretos

O relógio do Paço Municipal foi alvo de polêmica na última semana, por conta de uma reportagem divulgada em um tabloide local a respeito da grafia do número quatro que está grafado como IIII ao invés do IV que é tradicionalmente ensinado nas instituições de ensino do Brasil, afirmando que esta forma estaria errada.

Grafia IIII remete ao romano antigo e é largamente utilizada

Entretanto, a grafia do relógio ribeirãopirense está correta e é largamente utilizada há séculos nos relógios ao redor do mundo. Existem diversas explicações, desde religiosas, que colocam o IV como abreviatura do nome do deus pagão IVPTER (Jupiter), o que seria uma heresia em tempos de inquisição em que apenas o Deus católico poderia ser venerado, até as matemáticas, como o princípio da simetria. Como os números eram forjados em pares, usar o IIII evitava desperdício de material, já que teríamos 20 I, 4V e 4X, pares e múltiplos de 4. Além dos relógios de pulso, nas ruas muitos relógios como o Astronômico de Praga, da Estação da Luz e da Ponte de Shepard (Londres), usam este sistema.

Em artigo, Mauro Lucchini, presidente da Associação Brasileira de Colecionadores e Restauradores de Relogios (Abracore) corrobora ambas as versões. “A composição para os números romanos era diferente da que conhecemos hoje. Como sabemos, atribuíram o valor 1 para a letra I, valor 5 para a letra V e o valor 10 para a letra X e realizavam a composição dos números somando os seus valores, no sistema aditivo”. Nesta forma, o 4 era IIII e o nove, por exemplo VIIII. O sistema subtrativo, como conhecemos hoje, veio mais tarde: “em meados do século 15, que é considerado o final da Idade Média, são encontradas as primeiras menções do número 9 como IX”.

Portanto, não houve engano ou erro. E os ribeirãopirenses podem ficar tranquilos. O relógio suíço (na verdade feito em Salto-SP, pela empresa Wahl) irá mostrar a hora certa.

Compartilhe