Terceirização da Saúde, um crime contra a população

Responda de pronto: Qual o bem mais precioso do ser humano?

Mais de 90% dos leitores, com certeza, responderam ser a Saúde.

Quando me despeço de alguém costumo desejar saúde, que é o melhor que posso augurar a quem quer que seja. Costuma-se dizer, quando o assunto é doença, que não se deseja isso nem para o pior inimigo.

Isso posto pergunta-se: Por que as autoridades não se empenham mais em proporcionar melhores condições de atendimento à Saúde da população?

Há um dito popular que diz “Quer que saia bem feito, faça você mesmo”. Nossos governantes, porém, parecem querer optar pela via mais fácil e entregam prédios, equipamentos, veículos etc., nas mãos de terceiros. Terceiros esses representados por ONGs e OSCIPs, “sem fins lucrativos”, quase sempre sem respaldo técnico e experiência que as habilitem a cuidar do bem mais valioso do ser humano.

Milhões são entregues, a essas entidades, muitas vezes geridas por pessoas inescrupulosas, de passado nebuloso, que na posse dessas altas somas, subcontratam as tais cooperativas de médicos, locam equipamentos a peso de ouro e atendem mal a população.

Por que não montar uma equipe de técnicos, administradores, médicos e tocar a Saúde com pessoal próprio, terceirizando o mínimo indispensável? Dá trabalho? Dá, mas o que um prefeito ou um secretário esperavam ao assumir cargo tão importante? Lazer?

Esperemos que candidatos ao próximo pleito assumam o compromisso público de mudar os rumos na condução da Saúde da cidade. Recursos nó temos, precisamos otimizá-los, com trabalho e honestidade.

Gazeta

Compartilhe