Terceirização da Saúde, um crime contra a população

Na nossa edição número 502, de 24 de novembro de 2011, publicamos um artigo sobre o mesmo título deste, onde cutucamos a ferida aberta que é a Saúde de Ribeirão Pires. À época, abordamos a questão da terceirização, que todos estão vendo que não dá certo. Os recursos se esvaem, o atendimento é péssimo e as denúncias de desvio de dinheiro público se repetem. A Prefeitura culpa as empresas (ONGs e OSCIPs) contratadas, ao mesmo tempo em que as mesmas culpam justamente a Prefeitura e, nessa “briga de cachorro grande” que envolve milhões de reais, sobra para o pobre cidadão que depende do serviço público para se socorrer em caso de doença ou acidente.

Durante o Governo Volpi, ao menos três entidades se propuseram a gerir nossa Saúde, sendo a última delas a OSSPUB, execrada e retirada à força pela Guarda Municipal dos postos que ocupava após decisão judicial sob a falsa alegação de que o presidente da mesma teria adquirido um carro de luxo com dinheiro do setor – acusação essa nunca comprovada.

Agora, às portas do fim do mandato, com a “água batendo na bunda” e vendo que seu candidato não está emplacando, Volpi resolveu trazer de volta a administração da Saúde para o Município. Aí tome concurso e contratação às pressas de enfermeiros e médicos como se, em um passe de mágica, um advogado sem experiência administrativa no setor (o secretário Allan Frazatti) e meia dúzia de contratados de última hora pudessem dar o tal “choque de gestão” que todos esperavam.

Imagine o leitor ser dono de um hospital e, de um dia para outro, ter que entregar seus pacientes para novos gerentes técnicos, enfermeiros, e médicos recém-contratados. Será que seus clientes de convênios e empresas iriam aceitar alteração tão brusca no atendimento? Certamente não, porém os “clientes” do São Lucas e de outros postos médicos são o pobre povo que não tem o que reclamar. E o “azulzinho” noticia em manchetes garrafais a contratação de médicos e enfermeiros que passaram em concurso como o “Toque de Midas” que vai solver todo o Caos da Saúde…

Até quando este descaso vai perdurar? As eleições estão aí, cabe ao “povão”, o lado mais prejudicado, decidir se vai mudar ou continuar sofrendo.

Gazeta

Compartilhe