Terapia Ocupacional: a busca do bem estar

Considerado um dos mais modernos tratamentos existentes, a Terapia Ocupacional nasceu na Primeira Guerra Mundial e já existe no Brasil, como curso, há cerca de 50 anos. O mote é tratar os mais distintos problemas físicos oriundos de problemas físicos, psiquiátricos, mentais, geriátricos ou sociais.

Mais do que um simples tratamento, a terapia ocupacional também serve para valorizar o indivíduo

A atividade consiste em avaliar as atividades do cotidiano que a pessoa não está conseguindo fazer e os motivos porque isso acontece, definindo atividades de reabilitação para que o paciente tenha melhor qualidade de vida. Como exemplo, podemos citar recém-acidentados que aprendem a usar a cadeira de rodas e também tem a devida orientação para adaptar sua casa para ter um trânsito tranqüilo e também os exercícios necessários para não causar danos a outras partes do corpo.

Os profissionais da área, até mesmo os que ainda vão iniciar seus trabalhos, se mostram encantados com as possibilidades abertas: “é uma área maravilhosa, que deveria ter mais divulgação e ter muito mais apoio”, afirmou a estudante de Terapia Ocupacional, Memorina Oliveira.

A terapeuta Jacqueline da Silva, do Hospital-Dia da Apraespi, falou mais sobre a Terapia Ocupacional. Segundo ela, ela é aplicada a partir de uma avaliação que identifica os problemas da pessoa: “através dela, iremos observar as principais queixas do pacientes e, a partir daí, será elaborado um programa específico para essa pessoa”.

A terapia não apresenta contra-indicações. “Todos os tipos de doença podem ser tratadas”, afirmou Jacqueline, antes de ressaltar, que “é fundamental a indicação de um profissional”.

Tratamento Global – Mais do que um simples tratamento, a terapia ocupacional também serve para valorizar o indivíduo que por conta de um infortúnio esteja em situação de vulnerabilidade emocional ou física: “Na terapia ocupacional, analisamos a pessoa como um todo, além do problema físico. Valorizamos o potencial dela já que não focaremos apenas na dificuldade, já que muitas pessoas chegam ao tratamento pensando que não poderão fazer mais nada. Nós trabalhamos também esse aspecto”.

Apesar dos benefícios, a Terapia Ocupacional ainda não é largamente difundida entre os médicos. “ainda há um caminho muito longo a percorrer, até por falta de conhecimento dos profissionais a respeito do que é o tratamento”, afirmou Jacqueline, antes de concluir: “falta divulgação da profissão. Todos os serviços deveriam ter o atendimento, é de lei tanto em serviços públicos quanto privados”.

Compartilhe