Ribeirão e Rio Grande podem receber grandes obras de mobilidade urbana

Na última segunda, durante a Assembléia de Prefeitos, o Consórcio Intermunicipal Grande ABC decidiu que irá priorizar a Mobilidade Urbana, grande problema regional nos próximos meses. Com isso, as sete prefeituras irão apresentar, de forma conjunta, um grande pacote de projetos comuns ao Governo Federal.

Entorno da Índio Tibiriçá será região com maior número de intervenções

A ideia é firmar uma parceria para que sejam realizadas obras estruturais no trânsito, como intervenções nos sistemas viários e também de gestão de tráfego com a criação, inclusive de uma espécie de central de monitoramento unificada. As propostas serão encaminhadas à Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, no mês que vem.

Em estudo realizado pela Oficina Consultores Associados para a elaboração do Plano de Mobilidade Regional, foram identificadas 163 demandas de obras em todo o ABC, sendo que 18 delas estão em Ribeirão Pires. A Rodovia Índio Tibiriçá tem como necessidades duplicações no trecho que vai do Caminho do Mar à Rua 7 de setembro, entre os km 44 ao 54, uma rotatória no acesso à Rua Antonio Matias, alças de acesso na Ponte Seca, Rua Eugênio Roncon e Pedro Ripoli, além de melhorias no trevo com a Francisco Monteiro, que também receberia um viaduto.

Dentro da cidade, foram apontadas a extensão e duplicação da Avenida Brasil até a Avenida Santa Clara, que também seria duplicada até a Avenida Benjamin Cerezoli. A Avenida Francisco Monteiro também ganharia uma segunda pista no trecho entre a Estrada de Sapopemba e a Rodovia Índio Tibiriçá. No Centro, as intervenções seriam a construção de uma via paralela da divisa à Rua Capitão José Gallo, um túnel para carros sob a linha de trens ligando o Centro Alto ao Centro Baixo e a reformulação do cruzamento entre a Rua Major Cardim e a Avenida Humberto de Campos. No Jardim Mirante, a duplicação da Avenida Rotary. Rio Grande da Serra, por sua vez, teria a duplicação da SP122 entre as avenidas Prefeito Cido Franco e Dom Pedro I.

Obviamente, são demandas para a melhoria do trânsito das cidades que, embora inclusas no Plano, não necessariamente serão executadas em um curto prazo. Entretanto, todas são parte fundamental para uma solução eficaz para o delicado problema de trânsito que existe nas sete cidades que formam o Grande ABC.

A proposta conjunta, ou seja, o documento definitivo, será fechado em encontro entre os sete secretários de trânsito que definirá as prioridades e será realizado na próxima quinta-feira. “Nosso desafio é preparar um grande projeto básico de Mobilidade para a região em 30 dias”, afirmou o presidente do Consórcio, o prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho. “Acho a iniciativa maravilhosa. Para a população, o usuário, o condutor será um benefício enorme”, explicou o secretário de Transporte e Trânsito da cidade, Rubens de Almeida Sousa.

Compartilhe