Reportagem especial: OSSPUB e os problemas ocultos por trás da Saúde Pública

Constantemente, nossa reportagem é procurada para por pessoas insatisfeitas com alguma situação e que querem tornar público seu descontentamento. Grande parte dessas pessoas apresenta uma reclamação em comum: problemas com o Hospital São Lucas. Após as constantes reclamações, o Mais Notícias decidiu fazer uma investigação profunda sobre a entidade que está a frente do Hospital, a OSSPUB (Organização Social de Saúde Pública) e, para nossa surpresa, nos deparamos com uma realidade no mínimo interessante.

Adequações foram feitas para melhorar o atendimento

Antes de tudo é preciso ressaltar um ponto importante: devido ao contrato com a Prefeitura, a OSSPUB não pode se manifestar com a mídia sem o aval da Secretaria de Saúde, logo, nossa pesquisa não ouviu, em nenhum momento, o que a OSSPUB tem a dizer, apenas assumimos o papel de observadores e avaliadores de alguns documentos disponibilizados no site da Administração.

Embora haja uma série de reclamações, expostas a seguir, tal entidade é dotada de qualidades. Desde que iniciou os trabalhos na cidade, a OSSPUB vem desenvolvendo ações seguindo protocolos específicos que visam a qualidade no atendimento e a humanização dos serviços prestados. Constatamos isso ao nos passar por pacientes do Hospital São Lucas em um dia comum.

É nítido que houve investimento na infraestrutura do hospital, incluindo pintura, aquisição de mobiliário, adequação de salas, troca de equipamentos como os compressores, entre outros. Percebemos também que houve um esforço considerável para criar protocolos para a melhoria no atendimento inclusive com a implantação de um Manual de Regimento Interno para a Enfermagem. Além disso, toda a estrutura da cozinha foi ampliada para melhorar o serviço oferecido à população e aos servidores.

Nos locais onde o PSF (Programa Saúde da Família) começou a vigorar, a maioria das pessoas entrevistadas deram aval positivo para o funcionamento do programa e, à exceção de alguns poucos casos pontuais, a satisfação das pessoas cresceu.

Neste universo de qualidades, a reportagem do Mais Notícias apurou alguns problemas, dentre os quais destacamos graves erros: médicos que faltam ao plantão, contínuo atraso nos pagamentos, animais de rua dormindo na recepção do hospital, falta de paciência por parte de alguns atendentes, demora no atendimento e até mesmo reclamações de procedimentos médicos errados. Apesar disso, percebemos que a motivação dos mesmos reside na falta de pagamentos. Explica-se: por ser uma entidade sem fins lucrativos, a OSSPUB apenas administra o dinheiro público, visando a otimização dos recursos. Como depende de repasses da Prefeitura e esta não tem cumprido pontualmente sua parte, o reflexo acaba por rebater no consumidor final. Médico (ou qualquer outro funcionário) sem pagamento não vai trabalhar. Atendente que recebe apenas metade do salário, presta seu serviço com menor qualidade. Empresa de limpeza que não recebe, deixa de oferecer seus serviços. A soma de todos estes fatores explica o aumento significativo das reclamações recebidas em nossa redação.

Nossa avaliação leva a crer que a verdadeira responsável pelos problemas na Saúde no Município continua sendo a Prefeitura. Sempre que o contrato se manteve em dia, a situação no Hospital progrediu mas, quando houve falhas nos repasses, a crise atingia picos. Em um ambiente público é até compreensível o atraso de alguns pagamentos, mas tal constância precisa ser solucionada. Tanto o prefeito Clóvis Volpi (PV) quanto seu vice (que cismou em aparecer em todo o tipo de evento) poderia providenciar um plano emergencial para cuidar da Saúde que, pelo que vimos até agora, poderia se solucionar com uma revisão do planejamento financeiro.

Continuaremos acompanhando este e outros casos, procurando mostrar para nossos leitores o que se passa por trás dos fatos. Criticar o Poder Público, entidades e até pessoas é fácil. Para conseguir as informações acima, mantivemos nossa pesquisa por três meses, acompanhando a rotina do hospital e o balanço de pagamento da Prefeitura.

Caso o leitor tenha ideias de outras pautas para matérias semelhantes a essa, entre em contato com nossa redação pelo telefone (11) 4828-7570 ou pelo e-mail redação@maisnoticias.inf.br.

Compartilhe