População lutará sozinha contra o Rodoanel

Quando o povo quer, consegue! Os atuais incidentes registrados na Líbia representam bem isso. O que a onda rebelde conquistou depois de muita luta serve de exemplo para todo o mundo.

Bem próximo de nós, mais especificamente na região da Vila Suely, em Ribeirão Pires, uma luta está para ser iniciada, que irá afetar a população local de forma direta. Alguns perderão suas casas, outros seus vizinhos, outros sua saúde, alguns perderão a paz e outros a paciência devido às obras do trecho leste do Rodoanel que irá passar pelo local.

A fim de proteger a população, uma Frente Parlamentar foi criada em junho deste ano. A deputada estadual Vanessa Damo (PMDB) tomou a frente do grupo e promete “garantir a participação da população no debate sobre esta importante obra viária e seus impactos junto às comunidades, como no caso das desapropriações, das compensações ambientais, das mudanças nos sistemas viários e demais aspectos relacionados ao empreendimento”.

Apesar da iniciativa, a classe política da cidade, em especial o Executivo Municipal, não parece muito interessada no bem estar dos moradores do bairro. Nesta terça-feira, durante um importante encontro da Frente, não houve representante da Prefeitura para dar suporte aos pedidos dos munícipes, que até agora esperam por informações quanto a forma como se dará as mais de 900 desapropriações que ocorrerão em Ribeirão Pires.

Ribeirão terá o segundo maior trecho da fase leste do Rodoanel, ou seja, 29% do total da estrada passarão por aqui, o que equivale a pouco mais de 12 km. Para isso, a estimativa é que todas as residências existentes na área de 200 metros para cada lado do perímetro por onde passará a rodovia sejam desapropriadas. Os moradores reclamaram em não terem detalhes sobre como ocorrerão as desapropriações, as regras para avaliação dos imóveis ou como se dará os reassentamentos.  A SPMar disse disponibilizar o número 08007723000 para todos os detalhes, porém, esse telefone não funciona.

Enquanto isso, Prefeitura e Câmara Municipal se mostram despreocupadas.Se o povo quer ter suas respostas, terá que buscar sozinho.

Compartilhe