Oposição revela esquema de corrupção na Saúde e aponta responsáveis

A sessão da Câmara desta semana foi marcada por um discurso inflamado por parte do oposicionista Saulo Benevides (PMDB) ao acusar o prefeito Clóvis Volpi (PV) e seu secretário de Governo, Ricardo Nardelli Junior, o Nonô (PR) de integrar um esquema de corrupção na Saúde Municipal. Segundo Benevides, Volpi e Nonô eram coniventes com uma situação comandada por Maurício Fonseca, proprietário da empresa CEMED, responsável por administrar setores da Saúde durante os anos de 2005 a 2010. Fonseca seria o mentor de uma manobra que desviava cerca de R$ 1 milhão mensais da Prefeitura, tudo com consentimento do prefeito e do secretário.

Saulo acusa Volpi e Nonô como integrantes de um ‘esquema’ de desvio de recursos públicos

Apesar de não revelar sua fonte, Saulo afirma possuir documentos que comprovam suas afirmações. “Não foi por falta de avisar, quando a CEMED começou a atuar nós avisamos que isso iria dar problema”, declarou. O vereador foi enfático ao alegar: “O maior problema da Saúde é a corrupção e o desvio de dinheiro público. O mau-caráter do Maurício é o causador da falência do São Lucas. Recebi informações de que ele continuava mandando na Saúde depois que conseguiu uma procuração para dirigir a Iluminattus. Isso tudo aconteceu com consentimento do Volpi e do Nonô”.

O vereador questionou o uso de uma procuração que autorizava Maurício a comandar as finanças da Iluminattus, uma ONG que sucedeu a CEMED após essa ser afastada da Saúde por problemas administrativos. A Iluminattus ganhou o direito de gerenciar o Hospital São Lucas, as Residências Terapêuticas e as UBSs após vencer uma licitação. Com a intervenção da gestora anterior, os problemas permaneceram, o que resultou na saída da Iluminattus pouco tempo depois de assumir. Para o atacante Benevides, a continuidade de Maurício Fonseca à frente da Saúde foi uma forma de garantir o prosseguimento do ‘esquema’ que supostamente desviava R$ 1 milhão por mês. “Por que ele usou uma procuração se a sua empresa foi tirada da gestão por não estar trabalhando bem? Será que era por causa dos negócios já existentes?”, questionou.

A seguir, o peemedebista declara que enquanto havia o desvio de verba pública, o hospital caminhava ao caos, com falta de médico, equipamento, manutenção e medicamentos. “As pessoas estão morrendo e a culpa é deles”.

Encerrando sua exposição, Saulo Benevides mandou um recado ao prefeito. Olhando para a câmera instalada na plenária, como se estivesse olhando diretamente para Volpi, Benevides destacou: “Clóvis Volpi, renuncie enquanto você tem tempo porque tenho certeza de que será feita justiça”.

Ao deixar a tribuna, Saulo foi aplaudido, porém nenhum vereador questionou suas palavras.

Sobre a CEI – Em sua fala, o edil lembrou que atualmente existe um projeto para criar uma Comissão Especial de Inquérito com o objetivo de investigar e punir irregularidades na Saúde e que só não emplacou porque precisa da adesão de pelo menos mais outros dois vereadores. Atualmente apenas Saulo, Koiti Takaki (PSD), Gerson Constantino (PSD) e José Vicente (PR) são favoráveis à instauração da CEI. Apesar de encontrar barreiras na Câmara, uma iniciativa popular iniciou a coleta de assinaturas. As listas, que ainda não estão completamente contabilizadas, já ultrapassa a marca de 3 mil assinaturas, o que obrigará os vereadores a levar o projeto adiante.

Compartilhe