O 13º trabalho de Hércules

Um fato não recente que, infelizmente virou recorrente, é a dificuldade para trafegar e estacionar em Ribeirão Pires, fruto de anos sem planejamento adequado para o setor que viveu nos últimos anos, um grande crescimento turbinado pelo crédito farto que fez a frota de veículos crescer em ritmo acelerado.

Segundo dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), entre dezembro de 2004 e dezembro de 2011, a frota de veículos do Brasil aumentou de 39.240.875 para 70.543.535, um incremento próximo a 80%. Em Ribeirão Pires, contudo, esse aumento foi de extraordinários 118%, isso só considerando os automóveis registrados na cidade. Entretanto, como o investimento no viário não cresceu na mesma proporção, vemos a cidade ficar à beira do colapso.

Mesmo com o estacionamento rotativo, estacionar no centro da cidade é uma tarefa mais do que ingrata, o que poderíamos até mesmo chamar – guardadas as devidas proporções – de o “13º trabalho de Hércules”. Uma breve observação torna possível constatar donos de veículos circulando ininterruptamente em busca de vagas. Aos que não conseguem, ou tentam evitar as (escassas) vagas da Zona Azul, resta tentar estacionar em locais mais distantes e ficar à mercê dos malfadados flanelinhas, ou ainda se dirigir a uma das paradas particulares, também saturadas. Para completar, há uma verdadeira “epidemia” de vagas para Carga e Descarga, algumas delas ocupando metade das vagas de uma só rua (como no caso da Afrânio Peixoto, por exemplo), o que deixa o motorista comum à beira de um ataque de nervos. O planejamento, aliado ao escalonamento de horas para essas operações, certamente melhoraria a situação.

Para completar, o viário da cidade, nitidamente ultrapassado e carecendo de reengenharia, já não comporta o volume a que é submetido. Resultado: qualquer mínimo incidente gera congestionamentos e diversas complicações, especialmente nas proximidades de seus maiores gargalos: a ponte da Vila Ema, cujos semáforos apresentam problemas quase que semanalmente, e o cruzamento triplo entre a Avenida Fortuna, a Rua Boa Vista e a Rua Dr. Felício Laurito.

Ribeirão Pires precisa urgentemente de soluções para o problema do trânsito, lembrando que, hoje, ainda temos, em dados de dezembro, 59.362 veículos registrados. Mantendo-se a proporção atual, poderemos chegar a mais de 100 mil em 2018 e a cidade literalmente irá parar.

Compartilhe