Nos despedimos de Daniel Vasconcelos

A triste notícia do falecimento do companheiro de profissão, Daniel Vasconcelos, deixou a imprensa de Ribeirão Pires em luto. Há tempos o jornalista vinha lutando contra a leucemia, perdendo a batalha no início desta semana.

Daniel Vasconcelos passou por vários veículos de imprensa da região, onde atuou cobrindo os principais acontecimentos da cidade, da política e de outros assuntos diversos. No Mais Notícias, o profissional também fez carreira, sendo parte integrante da equipe nos primórdios do jornal.

Em meio à complicações de saúde, o militante da imprensa, mesmo afastado das redações, não deixou de levar uma mensagem de esperança aqueles que, assim como ele, também lutavam contra uma doença degenerativa e cruel.

Um pouco antes de falecer, Daniel Vasconcelos fez uma homenagem a todos os que vinham colaborando com doações de sangue. Em seu perfil no Facebook, ele publicou: “Não é o sangue que faz a família, é o amor”.

Sua última publicação, inclusive, foi uma interessante sugestão: “Quando chegar em casa hoje a noite, dá uma relaxada ouvindo esse show. Vai te fazer um bem danado”, disse, sugerindo esse vídeo (https://youtu.be/_f0yrq6HOdI), com mais de uma hora de um suave show de violão. A publicação foi feita enquanto ele ainda estava internado no Hospital São Camilo, na Pompeia, São Paulo.

Daniel descobriu a leucemia após o surgimento de uma série de sintomas que o levaram a procurar ajuda médica: “Comecei a ter dor de garganta. Tomava medicações, mas não passava. Achei que era em decorrência do ar condicionado. Depois tive uma gengivite, que na ocasião associei ao uso de antibióticos. Mais tarde, senti uma forte dor no abdômen. Foi quando procurei um médico”, contou.

A bateria de exames revelou um aumento extraordinário de leucócitos no sangue, cerca de 130 mil, quando o normal seria menos de 10% disso. O diagnóstico veio como um golpe fatal no final de 2015.

Nesse período, o profissional passou por várias transfusões  e por um tratamento visto como agressivo, chegando a passar por transplante de medula em maio do ano passado. Como todas as vítimas de câncer, em pouco tempo Vasconcelos perdeu os cabelos e a saúde definhou, mesmo assim, o jornalista não deixou de lutar.

Intrigados com a abrupta descoberta da doença e necessidade de ajuda, jornalistas da cidade chegaram a organizar caravanas para doarem sangue e plaquetas ao companheiro.

Entristecidos, cada jornalista da cidade, a sua maneira, prestou homenagem a esse agente da comunicação, que sentiu na pele as dificuldades da profissão, do mercado de trabalho escasso e de uma doença repentina.

Livre de toda a dor, Daniel agora descansa, após 40 curtos anos de vida, no Cemitério Municipal de Ribeirão Pires.

Compartilhe