Jogos Históricos

“Tais fatos, ao não serem devidamente noticiados e difundidos como deveriam acabam por tirar a credibilidade dos veículos de comunicação e de diminuir o espaço que esporte interiorano tem.”

No domingo passado (26), o Grande ABC deu adeus à 81ª edição dos Jogos Abertos do Interior. Sediado em Ribeirão Pires, Santo André, São Bernardo, Mauá e São Caetano, a competição de 2017 foi considerada um sucesso. Grandes jogos, grandes equipes e muita superação deram o tom nas quadras e arenas da região.

O grande destaque foi São José dos Campos, grande campeã com 320 pontos e diversos títulos. O segundo lugar ficou com São Bernardo, com 266 pontos, seguida por São Caetano, que somou 179 pontos. Quanto às demais cidades do Grande ABC, Santo André ficou em 9°, com 102 pontos; Mauá em 19°, com 58; Ribeirão Pires em 54°, com 18 e, Diadema, em 84°, com nove pontos.

Um ponto interessante a se destacar dos Jogos foi a presença de atletas e ex-atletas experientes. No caso da cerimônia de encerramento, por exemplo, o responsável por apagar a pira olímpica em Santo André foi o ex-mesatenista e atual técnico da seleção brasileira feminina da modalidade Hugo Hoyama. Mas o grande destaque foi, sem dúvida, as participações de Arthur Zanetti e Diego Hypólito.

Os ginastas medalhistas olímpicos duelaram entre si no solo, com Hypólito – que treina em São Bernardo – superando o colega de São Caetano, conquistando o ouro, além de uma prata por equipes e dois bronzes (um no salto e outro nas barras paralelas). Já Zanetti levou a prata no solo e o ouro nas argolas individual e outro ouro no salto.

Como se trata de importante competição (conforme foi dito neste mesmo espaço edições atrás, a quantidade de atletas superou a das Olimpíadas Rio 2016), esperava-se cobertura maior da grande mídia. Mas, o que se viu foi fraca visibilidade da competição. O que mais se encontra são notícias isoladas nos sites especializados, mas, por exemplo, é difícil se recordar de alguma matéria especial na televisão, meio que tanto explora disputas deste naipe.

Esta “falha” na cobertura dos Jogos Abertos é uma pena, pois, conforme dito anteriormente, a competição foi um sucesso – e em todos os aspectos. O surgimento de bons atletas, a participação dos nomes consagrados, a presença maciça de público torcendo por suas respectivas cidades e, no caso de Ribeirão Pires, a histórica participação do município, terminando com dois troféus e 16 medalhas são marcos que ficarão para sempre na memória do esporte e dos Jogos e, tais fatos, ao não serem devidamente noticiados e difundidos como deveriam acabam por tirar a credibilidade dos veículos de comunicação e de diminuir o espaço que esporte interiorano tem.

Se nem a presença dos nomes que marcaram época nos esportes e o retorno da competição ao Grande ABC foram capazes de atrair os holofotes para os Jogos deste ano, o que mais seria necessário para que os jovens interioranos – de grande qualidade, por sinal – sejam visados e ganhem mais destaque?

Compartilhe