Guarda Municipal ficará desarmada

Uma ação da Prefeitura de Ribeirão Pires (ou a falta dela) tem preocupado o efetivo da Guarda Civil Municipal como um todo. A licença de porte de armas da GCM vence em novembro e o grupo não tem recebido boa vontade da Municipalidade para realizar os testes psicológicos necessários para a renovação da licença.

Licença é renovada a cada dois anos e 140 guardas ficarão desarmados

Ao todo, a Prefeitura conta com um efetivo de 140 guardas, sendo que outros 17 deverão integrar o corpo de segurança a partir do ano que vem. Para renovar a licença do efetivo atual, a Prefeitura precisa gastar apenas R$ 12 mil. Segundo um representante da GCM, que prefere manter a identidade em sigilo, há falta de vontade por parte da Administração. “O secretário de Segurança Pública (Luiz Xavier de Oliveira) até que tem buscado resolver o problema, mas não tem conseguido”, revelou o servidor.

A fonte também apresentou outra preocupação: “A Guarda não pode ficar desarmada até o ano que vem. Eles (Prefeitura) querem empurrar a responsabilidade para o próximo prefeito. Sem o porte de armas não dá para fazer as operações especiais como a de natal, por exemplo”.

Nossa reportagem procurou a Prefeitura, mas não obteve retorno. O prefeito eleito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides (PMDB), também foi procurado e opinou: “Nesse momento, em que vivemos um clima de insegurança nacional, é justamente a época em que a segurança municipal precisa funcionar bem. É um absurdo esse tipo de reclamação. A renovação precisa acontecer agora e acho que isso será resolvido adequadamente”.

Compartilhe