Gerson Constantino: “nem Jesus Cristo teve 100% de aceitação”

Ainda que perto do fim, o mistério sobre quem será o vice petista certamente ainda renderá muitas páginas de jornais até que seja solvido. Um dos nomes mais cotados é o de Gerson Constantino, do PSD, atual presidente da Câmara de Vereadores de Ribeirão Pires.

“Sairei às ruas para que Maria Inês seja eleita. É outro momento, outra Inês, outro PT”

Entretanto, aqui e ali, aparecem vozes discordantes, tanto pelo fato de ter deixado o arco de alianças de Saulo Benevides, quanto pelo fato de ele ter sido base de apoio do atual governo, justamente o que inicia esta entrevista exclusiva para o Jornal Mais Notícias: “Não há resistência a meu nome, apenas discussão”, minimizou, antes de relembrar que já esteve na base de apoio da legenda da pré-candidata Maria Inês: “No passado, contribuí muito com o PT, quando estive no PL”.

Constantino também ressaltou que teve atuação crítica e, por diversas vezes, se opôs a atos do atual governo: “Questiono a Saúde desde 2009, mesmo estando no PV, de onde saí por não ter mais espaço de crescimento”.

Questionamentos – O presidente da Casa de Leis está ciente de que sua eventual escolha não seria uma unaminidade. Humilde, reconhece que isso é natural: “nem Jesus Cristo teve 100% de aceitação”, afirmou.

Gerson também negou que a mudança de lado teria ocorrido exclusivamente pela possibilidade de ser vice: “não é minha intenção. Deixo meu nome à disposição, desde que seja para aglutinar”. Além disso, ratificou sua simpatia ao projeto que a legenda tem preparado para a cidade: “Onde visto a camisa, visto de fato. Sairei às ruas para que Maria Inês seja eleita. É outro momento, outra Inês, outro PT”.

Quanto que aos que lhe questionam, afirmou: “Estou à disposição. Tenho certeza de que muitos deles nem me conhecem. Estou aberto para tirar duvidas”. Gerson Constantino concluiu dando seu palpite sobre quem será o escolhido, ainda que sem citar alguém em especial: “O nome que vier, será para agregar”.

Compartilhe