Educação no Trânsito: por onde ela tem que começar

Infância. É nesta fase da vida que as crianças, que são pedestres e serão futuros condutores, devem ser expostas a todo tipo de orientação que as façam ver o quão complexo é o ambiente ao redor delas e que somente com muita prudência será possível mudar, para os próximos anos, a triste realidade que vivemos com o trânsito nos dias de hoje.

Com linguagem lúdica, crianças aprendem a importância de respeitarem às leis e normas de trânsito

Com esse objetivo, a Prefeitura de Ribeirão Pires, por meio da Secretaria de Transporte e Trânsito, em conjunto com a Pasta de Educação e Inclusão, projetou a “Cidade Mirim”, no Espaço Multicultural de Ribeirão Pires, localizado no Complexo Ayrton Senna. O espaço receberá, até esta sexta-feira (30), alunos da rede municipal da faixa etária de 6 a 10 anos, que aprenderão sobre leis e normas de trânsito, além de serem estimulados à condução segura e consciente.

No local, as crianças tiram todas as dúvidas com os agentes de trânsito e têm acesso a material diferenciado, que dispõe de brincadeiras que incentivam a compreensão das informações e estimulam a formação de cidadãos conscientes sobre deveres e direitos no trânsito. A linguagem lúdica facilita o aprendizado. Durante toda a ação, que teve início no último dia 18, com a Semana do Trânsito, cerca de 2.120 crianças conhecerão a área.

“Temos a preocupação de ensinar as crianças, que desde cedo devem saber como se portar como condutores ou como pedestres”, disse o secretário municipal de Transporte e Trânsito, José Vicente de Almeida, completando: “Os acidentes acontecem, na maioria das vezes, por falta de atenção. Informar a população sobre as leis de trânsito é uma maneira de garantir a segurança em nosso leito viário”.

A secretária de Educação e Inclusão, Rosi Ribeiro de Marco, ressalta a importância da iniciativa no desenvolvimento dos pequenos. “Acima dos conhecimentos com relação às regras de trânsito, um projeto pedagógico envolvendo a nossa comunidade escolar traz, junto com todo esse envolvimento, uma grande assimilação e uma grande incorporação de conhecimentos procedimentais extremamente positivos para o aprendizado da cidadania”.

Se o tema Educação no Trânsito deveria fazer parte, de alguma maneira, do currículo escolar, Rosi diz que toda ação educativa, seja ela de qualquer natureza, deve estar presente nas escolas. “Além de proporcionar e realizar atividades para a apropriação do conhecimento específico, essas ações servem para despertar valores positivos em nossas crianças. Assim, programas envolvendo a Educação no Trânsito, bem como todos os que possam trazem ganhos para uma mudança de comportamento saudável, sempre serão bem vindos”.

Compartilhe