Dupla filiação tira vários pré-candidatos das eleições municipais de 2012

A velha mania brasileira de deixar tudo para a última hora está incomodando muita gente em Ribeirão Pires, em especial pré-candidatos que sonhavam em disputar as eleições neste ano. A legislação eleitoral determinou um prazo limite para que os interessados migrem de partido. Aqueles que esperaram os últimos minutos hábeis para a transferência de legenda caíram na armadilha da dupla filiação, o que resulta na impugnação da candidatura, ou seja, o pré-candidato fica impossibilitado por lei de disputar as eleições.

Pilha de processos chega a quase 100 nomes filiados em dois partidos

Em ambas as zonas eleitorais de Ribeirão Pires (183 e 382) várias pessoas perderam a oportunidade pelo mesmo problema. Aproximadamente 100 pessoas, dos mais diversos partidos receberam uma intimação do juizado eleitoral exigindo explicações quanto às duplas filiações. Durante esse processo, muitos ficarão de fora das eleições.
A exemplo, uma das maiores apostas do prefeito Clóvis Volpi (PV) a concorrer a uma vaga na Câmara, Cláudio Deberaldine, o Cláudio do Luso, teve sua filiação no PV anulada pelo juizado eleitoral por ter sido feita dois dias antes de se desfiliar do PR. “De acordo com os documentos, o eleitor fez sua desfiliação dia 07 de outubro enquanto que sua filiação ao PV foi realizada dia 05, ou seja, fora do tempo hábil que, segundo a legislação, fica caracterizado como dupla filiação partidária”, declarou Sidnei Vieira da Silva, Juiz Eleitoral responsável pela região. Claudio do Luso também está desfiliado do PR como punição pela “infidelidade partidária”, mas ainda pode recorrer. Enquanto não conseguir reverter a decisão, o pré-candidato se encontra inelegível.
A chefe do cartório eleitoral de Ribeirão Pires, Fabiana Mendes, disse que é natural encontrar tantos problemas em filiações em períodos eleitorais. “Apesar de ser um número elevado, isso é normal nessa época de eleições municipais. Após receber a intimação, os candidatos têm três dias para recorrer, então o Tribunal julga o recurso”, explicou a especialista.
O pesadelo de ficar de fora das eleições, no entanto, não atinge todo mundo. Alguns pré-candidatos que foram barrados pelo juizado conseguiram reverter a situação e provar que só estavam filiados em um único partido, garantindo assim sua candidatura.

Compartilhe