“Dia 14 de setembro a CEI da Saúde estará aberta”, garante Amaury

Mudanças no Regimento Interno da Câmara de Ribeirão Pires  e na Lei Orgânica do Município serão realizadas pelos vereadores com o objetivo de acelerar a abertura da Comissão Especial de Investigação, visando apurar possíveis irregularidades na Saúde. Nesta semana, os parlamentares decidiram desengavetar a proposta, mas com um adendo: a investigação cobrirá as gestões dos prefeitos Clóvis Volpi (ex-PV), Saulo Benevides (PMDB) e do atual Kiko Teixeira (PSB).

Anselmo (direita) pode presidir investigações

Dos nove vereadores que se propuseram a participar da CEI (Amaury Dias – PV, Anselmo Martins – PR, Edmar Aerocar – PV, Amigão D’Orto – PTC, Paixão – PPS, Paulo Cesar – PMDB, Rato Teixeira – PTB, Rogério do Açougue – PSB e Silvino de Castro – PRB), três demonstraram desejo em liderar a comissão. Anselmo espera presidir os trabalhos enquanto Amigão e Amaury almejam a relatoria.

Na próxima sessão da Câmara, os vereadores apreciarão um projeto de lei que adequará a legislação municipal à federal, o que garantirá a continuidade acelerada das investigações. A previsão de Amaury quanto ao dia 14 pode sofrer um atraso de uma semana por conta do feriado de 07 de setembro, que este ano cai em uma quinta-feira, prorrogando o planejado por mais uma semana.

Sessão – Na plenária realizada ontem, os vereadores discutiram o parcelamento das dívidas da Prefeitura junto ao Consórcio Intermunicipal do ABC. No PL 45/2017, de autoria da Prefeitura, o prefeito Kiko pede autorização do Legislativo para parcelar a dívida de pouco mais de R$ 1 milhão em 72 vezes.

Anselmo questionou a Prefeitura sobre o retorno que o Consórcio Municipal dá à cidade. “Estamos falando de um financiamento, mas temos muitas outras prioridades para nossa cidade. Qual a finalidade do Consórcio e  quais benefícios ele já trouxe para Ribeirão?”, questionou o republicano.

Amaury, que trabalhou na agremiação por 12 anos defendeu que “quando o governo usa bem o Consórcio, ele se torna o melhor parceiro que a cidade pode ter”. Banha Savietto (PPS) reforçou o discurso do verde.

Ao final da sessão, o parcelamento foi aprovado. Anselmo foi o único a se abster da votação justificando ainda ter dúvidas quanto ao projeto.

Compartilhe