DER analisará novas melhorias para Tibiriçá

Moradores do distrito de Ouro Fino Paulista estão enfrentando um sério problema com a rodovia SP-31, também conhecida como Rodovia Índio Tibiriçá. Após a duplicação das faixas, o índice de acidentes aumentou (de acordo com moradores locais), o trânsito tornou-se mais rápido e, com isso, dificuldade para que o pedestre encontre um local seguro para travessia. A reportagem do jornal Mais Notícias foi convidada pelo vereador Jorge de Moraes, o Jorge da Autoescola (DEM), também morador de Ouro Fino, para verificar a situação em que se encontra a localidade.

Motoristas enfrentam dificuldades para entrar e sair dos bairros com segurança

Segundo Jorge, após as recentes reformas promovidas pelo DER (Departamento de Estradas de Rodagem), responsável pela rodovia, a sinalização e o trânsito ficaram muito bom para o condutor, porém, os pedestres perderam muito com a atualização da Tibiriçá. “Em todo o percurso que corta Ouro Fino não há faixa de sinalização, a pista está boa para os carros, mas prejudica pedestres”. No entanto, mesmo motoristas enfrentam certa dificuldade. Como não há sinalização adequada para entrada nos bairros, os motoristas que tentam pegar o trânsito da rodovia enfrentam muita dificuldade em certas áreas, colocando a vida em risco, já que trechos onde havia acostamento foram transformados em segunda faixa.

O lojista Antônio Casanova, proprietário de uma loja de materiais de construção, assiste diariamente ao drama de quem tenta sair do bairro para acessar a Índio Tibiriçá. “O ônibus escolar demora cerca de 20 minutos para entrar na faixa. O DER não está nem aí pra nós”, disse. Já Edinailda Rodrigues, comerciante e proprietária de uma casa de rações revela os perigos assistidos da bancada de sua loja: “Tem acidente direto. Tenho que sair daqui orando. Se pararmos no acostamento um caminhão pode vir pra cima da gente. A noite é o pior horário”.

Enquanto acompanhávamos o vereador Jorge, nossa reportagem se posicionou abaixo da passarela localizada no centro de Ouro Fino, flagrou vários moradores atravessando entre o trânsito, ignorando o perigo e a passarela. Ao questionarmos um senhor que quase foi pego por um caminhão, do porque de não atravessar pela única passarela da região, ele responde: “Tenho que dar muita volta pra atravessar, prefiro passar por aqui”.

Para o DER, os problemas com acidentes, dificuldades de travessia e demais inconveniências, não existem. Quando questionado por nossa reportagem sobre prazos para a finalização das obras na rodovia, o DER informou, em nota, “que as obras de melhorias da Rodovia Índio Tibiriçá já foram concluídas e várias ações foram realizadas para aumentar a segurança dos usuários. Por se tratar de local bastante urbanizado, foram implantadas calçadas e Safety Boxes (área no centro da pista que possibilita o pedestre a atravessar a via) em vários trechos da via para facilitar a travessia e garantir a segurança dos pedestres (nossa reportagem verificou apenas 01 em todo o percurso), além de redutores de velocidade. Vale ressaltar que em pista simples não são implantadas passarelas”.

Pedestres ignoram a passarela e não têm outro local seguro para atravessar

Para os motoristas, o Departamento esclarece que apesar de existir muitos acessos a rodovia, o ideal é que seja utilizado o retorno mais próximo ao invés de atravessar a via, evitando assim, a ocorrência de acidentes. No entanto, há apenas duas rotatórias em todo o perímetro, com uma distância aproximada de 2 km entre elas.

O DER informou que será enviada uma nova comissão técnica ao local para verificar as necessidades dos moradores locais. Constatando os problemas, um novo projeto será preparado para solucionar os incômodos.

Compartilhe