Coutinho lança livro em Ribeirão Pires

No último sábado, o Ribeirão Pires F.C. foi sede do lançamento do livro “Coutinho, o Gênio da Área”, que conta histórias marcantes de um dos maiores centroavantes da história do futebol, fato esse reconhecido até mesmo por Pelé que nunca negou o talento do parceiro de Santos: “dentro da Área, ele era melhor do que eu”, disse o rei. O jornal Mais Notícias conversou com o jogador que falou sobre a obra e sobre a Copa de 2014.

Mais Notícias: Qual a sensação de ter um livro retratando sua trajetória?

Coutinho(e) foi prestigiado por fãs de todas as idades

Coutinho: Dizem os mais velhos que quando você escreve um livro e planta uma árvore está realizado. Já fiz os dois e devo estar iniciando o processo de estar realizado.

MN: E relembrar essas histórias daquele ataque com Dorval, Mengálvio, Pele e Pepe?

C: É muito gostoso. São lembranças que ficaram marcadas na história do futebol em uma época em que o Santos fizesse o Brasil ser conhecido como Brasil, porque até então para muitos nossa capital era Buenos Aires. Então faz parte da história do Santos, de uma história que participamos. Fico muito feliz com isso.

MN: Qual a diferença do jogador de futebol daquela época para o de hoje?

C: Poderia falar em seriedade, mas não vou usar esse termo porque é muito forte. Mas o fundamental era que gostávamos do que fazíamos, não tinha esse marketing de hoje. Isso não existia. O nosso amor pelo futebol fez com que o Santos conseguisse montar uma equipe que ganhou tudo o que disputou. A dificuldade hoje é saber porque o Santos parou de disputar. É algo que nem nós que jogamos lá sabemos.

MN: Você acha que o santos investiu muito em Neymar e esqueceu do resto do elenco?

C: Não sei. Não sei mesmo porque ninguém joga sozinho, né “cumpadi”? É um esporte coletivo onde todos participam, seja bom ruim ou mais ou menos. Como dizia o falecido Canhoteiro (atacante que jogou no São Paulo): ‘eu sou ponta esquerda, só fico ali para a bola não sair fora’.

MN: Para 2014, qual a perspectiva para a Copa do Mundo?

C: Penso como todos os brasileiros. A gente quer ganhar, mas acho que ainda falta muito para arrumar e pouco para começar. O Felipão deu essa recuperada na (Copa das) Confederações, mas vamos torcer para que tudo corra bem, para que despontem outros jogadores até lá e torcer para que o Brasil alcance seu objetivo.

MN: Para finalizar, queria que você contasse uma história divertida, algo que está no livro?

C: Olha isso não vou contar não. Tá no meu livro, né? (risos)

Serviço – a obra “Coutinho, o Gênio da Grande Área”, de Carlos Fernando Schinner é uma publicação da editora Realejo e está a venda nas melhores livrarias com preço médio de R$ 48.

Compartilhe