Com dívidas equacionadas, Ribeirão Pires assegura negativas de débito

A saída para muitas administrações públicas municipais são os recursos oriundos dos Governos do Estado e Federal. Diante a situação financeira encontrada em seu primeiro ano de gestão, prefeitos buscam verbas fora de suas divisas, pois sabem serem estes os únicos recursos disponíveis para investimentos. O Orçamento, na maioria das vezes, cobre o custeio e o pagamento de algumas dívidas herdadas.

Em Ribeirão Pires a situação não foge a regra da maioria das Prefeituras, mas com um diferencial de extrema importância. Mesmo diante a complicada situação financeira herdada, a administração Saulo Benevides renegociou importantes débitos, como com o INSS e o PASEP, sem os quais o município perderia recursos.

“Ao assumir em janeiro, me deparei com dívidas com o INSS e o PASEP, por exemplo, por que a administração anterior não fez os pagamentos devidos. Tivemos um duro trabalho de gestão, de eficiência e responsabilidade pública, pois sem as renegociações e os pagamentos não teríamos as Certidões Negativas de Débitos, documento essencial para conseguirmos recursos do Estado e da União”, contou Saulo.

O prefeito explica que com as negociações, o município está apto a receber investimentos em vários setores. “É o caso das verbas para a Saúde, que somadas chegam a R$ 9 milhões para retomada e conclusão das obras do complexo Hospitalar. São emendas que recebemos para asfalto e infraestrutura, convênios com a Caixa Econômica Federal para a revitalização da Vila do Doce e os R$ 41 milhões para obras de mobilidade urbana, entre outros. É como a gente. Se tiver o nome sujo, não tem crédito”, exemplificou.

Ribeirão Pires está com sinal verde no CRMC (Certificado de Regularidade do Município para celebrar Convênios), que trata do conjunto de certidões necessárias para convênios com o Estado e também tem aval do CAUC (Cadastro Único de Convênios), para celebração de convênios com a União.

“Converso com muitos prefeitos que por questões orçamentárias e de gestão não conseguiram as Certidões Negativas de Débitos. A situação deles ficou muito complicada. Nós fizemos a lição de casa, tivemos eficiência na gestão pública para sanar o problema, pois a dívida é do município e não de um ou outro grupo político. Não pensamos assim, pois quem perderia seria a cidade e nós moradores”, afirmou Saulo.

Compartilhe