Celular: um vício que pode causar grandes problemas de saúde

Já há alguns anos o uso do celular é cada vez mais frequente na vida das pessoas. Se antes o aparelho servia apenas para fazer e receber ligações, hoje o aparelho é multiuso e até mesmo o melhor amigo de muitas pessoas.

Com certeza você já deve ter reparado inúmeras pessoas mexendo no celular dentro do ônibus, trem ou metrô, conectadas a alguma rede social, navegando pela internet ou até mesmo jogando que, por estarem entretidas no aparelho acabam nem percebendo o que ocorre em sua volta. Isso faz com que as pessoas criem o seu próprio mundo junto, é claro, do inseparável celular.

Algumas pessoas estão radicalizando tanto que não conseguem ficar sequer um minuto longe do seu aparelho e, por estarem tão ligadas aos seus celulares, mal percebem que ficar todo o tempo conectado ao telefone pode causar graves problemas de saúde. Há, inclusive, novas doenças que envolvem o uso do aparelho. Então não se espante se ao final de ler esta matéria você talvez perceba que está passando dos limites com o uso do celular.

Síndrome do toque fantasma

É quando você escuta ou sente o seu celular vibrar no seu bolso, e quando percebe, não há qualquer atualização ou chamada perdida no aparelho. Pior: muitas vezes o celular sequer está no bolso. Isso já começa a ser um sinal da sua dependência com o aparelho. Mas não fique preocupado: Segundo o Dr. Larry Rosen, autor do livro iDisorder isso é comum em cerca de 70% das pessoas.

Nomophobia

Isso ocorre quando a pessoa fica muito tempo sem usar o aparelho, ou quando o aparelho fica sem bateria, e gera um ataque de ansiedade. A nomophobia uma abreviatura da palavra “no-mobile phobia” (medo de ficar sem telefone móvel) é isso: o aumento acentuado da ansiedade que algumas pessoas sentem quando estão separadas de seus telefones.

Náusea Digital

Isso é causado quando as pessoas sentem náuseas ou vertigem quando estão interagindo com algum aparelho que tem vários ambientes digitais. As pessoas que sofrem disso acreditam que os ícones digitais podem estar em movimento em formato 3D podendo até sair do visor do aparelho, por conta disso o nosso cérebro fica enjoado por causa do movimento do visor. Isso aconteceu recentemente com os usuários de iPhones e iPads quando fizeram a atualização para a nova versão do sistema operacional dos aparelhos.

Depressão de Facebook

Antigamente a interação social acontecia em festas, almoços e jantares, onde estavam reunidas várias pessoas com o único objetivo de fazer novas amizades. Hoje, a maior ferramenta social é o Facebook, onde nem todas as pessoas que são seus amigos você conhece pessoalmente. Com isso, algumas pessoas acabam criando uma vida no qual queriam estar vivendo. Segundo o Dr. Rosen as pessoas que possuem vários amigos em redes sociais e tentam mostrar aquilo que não são têm menor incidência de tensão emocional, podendo se tornar depressivas.

Transtorno de Dependência da Internet

O Transtorno de Dependência da Internet (por vezes referido como Uso Problemático da Internet) se caracteriza pelo uso da rede sem objetivo, apenas passando de um site para o outro. Segundo a médica Kimberly Young, o vício de Internet geralmente pode ser atribuído a “baixa autoestima, baixa autossuficiência e habilidades ruins”.

Vício em jogos online

São aqueles jogos viciantes que faz as pessoas sentirem necessidade de passar horas durante o dia jogando e, caso não o façam, se sentem mal humoradas. De acordo com uma pesquisa feita pelo governo da Coréia do Sul, cerca de 18 % das pessoas tem o vicio em algum jogo da internet.

Cibercondria, ou hipocondria digital

A internet também acabou virando uma espécie de médico para algumas pessoas que, ao sentir qualquer sintoma logo pesquisam na internet e, sem o conhecimento devido, acabam por se “auto-diagnosticar”, sem perceber que isso pode causar graves problemas no futuro. Um deles é não sentir nenhum sintoma e acabar acreditar que, de fato, tem todos os sintomas de determinada doença.

O efeito Google

Isso ocorre com muitas pessoas acostumadas a acessar o Google para tudo. Isso gera uma espécie de preguiça mental, que as priva de pensar ou até mesmo memorizar algo justamente por saber que, com apenas em alguns cliques o serviço trará as respostas. Porém poucas pessoas sabem o perigo que isso pode causar quando realmente precisar usar o seu celebro e não tiver um acesso à Internet por perto.

Compartilhe