Câncer de mama: orientar para prevenir

Cancer de MamaA cada ano, aproximadamente 50 mil casos de câncer de mama são detectados no Brasil. No mesmo período, ocorrem 10 mil mortes provocadas pela doença.

O câncer de mama é o que mais causa morte entre as mulheres e, em incidência, só perde para o câncer de pele não melanoma. Mas, com diagnóstico precoce e tratamento adequado, é um mal que pode ser curado. Daí a importância de se consultar regularmente um Mastologista.

Dra. Melissa Gonzalez Veiga, Mastologista, explica que um dos principais objetivos da especialidade é “detectar e tratar precocemente o câncer de mama, além de outras doenças benignas”. A mulher deve estar atenta às alterações do seu corpo, e que a mamografia é o método mais importante para a detecção de câncer de mama, já que muitas vezes o tumor é impalpável. Dra. Melissa recomenda apenas uma mamografia de controle para mulheres de 35 a 40 anos. E uma vez por ano, a partir dessa idade. “Isto para mulheres sem fatores de risco, pois, se existirem, o acompanhamento deve ser individualizado. Por exemplo, uma paciente que teve mãe diagnosticada com câncer de mama aos 40 anos, deve ser submetida a mamografia anual a partir dos 30 anos – 10 anos a menos da idade em que a mãe descobriu a doença”, explica a especialista.

Os fatores de risco são: casos de câncer de mama na família, sobretudo mãe, irmã ou filha; idade (a possibilidade de desenvolver a doença aumenta com tempo), consumo de álcool, que é mais prejudicial do que o cigarro neste caso; não ter tido filhos ou tê-los em idade mais avançada e reposição hormonal, entre outros. “A gestação e a amamentação fazem parte processo de amadurecimento das mamas. Quando não ocorrem, a possibilidade de ter câncer aumenta”, conta a médica.

Dentre os sintomas que devem ser imediatamente investigados, a médica usa como exemplos o aparecimento de nódulo, alteração da pele (abaulamento, ferida), inversão de mamilos e secreção espontânea. “Muitas mulheres entram em pânico ao sentir dores nas mamas. Mas isto quase sempre está associado a problemas hormonais e costuma ocorrer durante o período pré-menstrual, nada tendo a ver com câncer. Para tratar esses sintomas, deve-se usar sutiã com boa sustentação e adotar atividade física regular. Alguns médicos pedem para evitar o consumo de produtos com que agravariam o problema, mas ainda não há comprovação científica a respeito”, explica a médica.

Os homens não estão imunes ao câncer de mama. Para cada 100 mulheres, um homem também apresenta o problema: “O pior é que eles ficam constrangidos de procurar um especialista em Mastologia, porque acreditam que é um profissional que só trata de mulheres. Este preconceito não tem sentido e pode atrasar o diagnóstico e o tratamento”, alerta a Dra. Melissa.

Compartilhe