Banda estreita, paciência larga

Na manhã de ontem, em encontro de empresários promovido pela Aciarp (Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Ribeirão Pires), foi levantada mais uma vez a discussão sobre o acesso à Internet na cidade, um velho pleito. A novidade é ver que a Prefeitura se mostra disposta a tentar resolver esse gargalo que tanto incomoda e atrapalha o desenvolvimento.

Há alguns meses, temos acompanhado o caso da chegada da Net (que está mudando de nome para Claro) à cidade, o que proporcionaria o fim do monopólio da Telefônica e seu Speedy, oferecendo assim mais opções para o serviço. A empresa, como visto na última edição do Mais Notícias afirmou que tem sim interesse na cidade, mas que, em suma, ainda está estudando a viabilidade técnica da empreitada.

A internet de alta velocidade, a cada dia que passa, se torna um item de suma necessidade na vida dos brasileiros seja para diversão ou para questões profissionais. Hoje, por exemplo, temos no mercado o Netflix, um serviço de filmes por demanda de baixo custo que tem substituído as velhas vídeolocadoras que, não fosse a reserva de mercado para lançamentos (que, por sinal, já não existe nos serviços similares das operadoras de tv a cabo) estariam fadadas ao fim. Para usá-lo, é preciso banda larga de pelo menos dois megabytes, algo que, como bem sabemos, só é atingido na cidade pelos moradores das imediações da região central. Isso para não falar na baixa disponibilidade que deixa muitos moradores na fila pela instalação do serviço.

Isso para não falar de outros serviços populares, como Youtube, e-mail e jogos online, por exemplo. Há também quem diga que também há a questão de sites de fora do país, mas isso é uma demanda da minoria já que hoje é provado que o usuário comum tende a acessar sites de sua própria região.

Fora as questões mais particulares, é inegável que um acesso à internet mais eficaz seria de fundamental importância para o desenvolvimento da cidade. Hoje, há um sem número de negócios que são fechados pela rede e um grande número de empresas, em especial de e-commerce (comércio virtual) que têm sede em Ribeirão Pires e são destaque nacional. Este, por sinal, é um filão que pode gerar muitos empregos e, consequentemente, renda para os combalidos cofres municipais com um setor que pouco polui e é visto como um dos mais promissores da economia.

Independente da empresa que prestará o serviço, é muito válida, portanto, a disposição da Administração Municipal em tentar resolver a questão é (com o perdão do trocadilho), um excelente sinal de que esta situação, que há muito tempo está pendente, pode, enfim, chegar a um final feliz. Toda essa novela mostra que de larga mesmo, só a paciência do ribeirãopirense.

Compartilhe