Além do Mais…

Ilustre público

A sessão da Câmara de Vereadores de Ribeirão Pires dessa semana foi tida como “relâmpago”, não durando mais do que 15 minutos. Sem qualquer projeto na Ordem do Dia, sem matérias de inclusão e nenhum vereador inscrito para falar, o presidente da Casa, Gerson Constantino (PSD), sem muito que fazer, usou o “tempo de sobra” para reconhecer a presença do ilustre público: dois jornalistas do Mais Notícias, um fotógrafo de um periódico local e uma outra jornalista que, por ter chegado cinco minutos atrasada, assistiu apenas ao final da sessão.

Hora apropriada

Depois que seu nome despontou em primeiro lugar na pesquisa IBOPE, o vereador Saulo Benevides saiu a campo em busca de apoio com os resultados do levantamento em mãos. Benevides chegou a se encontrar com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB) visando conquistar a garantia de apoio político e financeiro. Pelo sorriso estampado em sua face, o desafeto de Clóvis Volpi parece ter conseguido o que queria e está mais animado com a campanha deste ano.

Ou ele ou eu

Tem pré-candidato do lado governista incomodado com a atuação intensa do “marketeiro” do governo, o Pasquim. Sistemático ao ponto de proibir, sob pena estritamente severa, qualquer pessoa que se aproxime para tirar uma simples foto sua, Pasquim tem desmotivado membros o PV com suas inúmeras exigências. Nosso agente da SIA (Serviço de Informações Anônimas) ouviu alguns desses pré-candidatos ameaçando abandonar a disputa caso Pasquim continuasse com seu “trabalho de cacique”.

PMDB ou PSD?

Nosso agente da SIA também ouviu informações que contradizem o que foi publicado por um jornal regional sobre as intenções de Koiti Takaki de estar de “malas prontas” para migrar para o PMDB. A real situação seria a de que Koiti, deixado de fora da nova administração do PSD, entraria na Justiça para garantir a legenda em sua possível candidatura como vereador na campanha eleitoral deste ano, ainda pelo PSD e que a migração ao PMDB só aconteceria no final do período eleitoral caso não fosse reeleito.

Na fila

Estavam os dois na fila, um olhou para o outro e ambos fingiram que não se conheciam. Enquanto um olhava para um lado, o outro o media de cima a baixo e, ao olhar para o lado, o primeiro é quem fazia a medição. Depois de alguns suspiros altos, batidas de pé e um desconforto visível, o primeiro foi atendido e logo saiu do recinto. Caro leitor, talvez você não saiba quem são os sujeitos, mas deu para entender que eles, embora estejam no mesmo ramo de atuação, o jornalismo, há algo que ainda não os aproxima. E aí, vamos conversar?

Compartilhe