Além do Mais – 25/08/2016

Fazemos qualquer negócio I

O prazo curto para as campanhas eleitorais gerou um certo desespero em candidatos a vereador, especialmente aqueles de chapas, assim por dizer, menos abastadas. Com isso, gerou-se uma verdadeira “corrida ao material de campanha”, lotando os escritórios de publicitários e designers de todo o país. O problema é que, para isso, se faz necessário dinheiro – algo raro em tempos de doações limitadas – o que gerou um novo “mercado”: o das vendas de reuniões.

Fazemos qualquer negócio II

O agente da SIA (Serviço de Informações Anônimas) nos informou que candidatos têm ido a comitês adversários oferecer reuniões com apoiadores em troca de material de campanha ou até mesmo um “trocadinho” para a gasolina. Dizem que o comércio está tão intenso que teve candidato que levou até mais de um prefeiturável para reuniões no mesmo local. É… em tempos de dinheiro curto, a criatividade reina!

Desespero

Falando em tempo e dinheiro curto, a semana foi repleta de cenas de desespero. Teve desde candidato extrapolando o limite de anúncios até suspeitas de uso de carros oficiais em campanha – e ainda no horário de serviço. Pelo visto, a temporada eleitoral vai ser repleta de emoções…

Pressão

Na última semana, Saulo Benevides passou por um apuro em uma reunião realizada na cidade com cerca de 100 pessoas que apoiam um dos candidatos a vereador de sua chapa. Questionado sobre seus planos para a Saúde em um eventual segundo mandato, acabou sendo alvo de uma “saraivada” de questões a respeito do setor, inclusive sobre o (baixo) uso do tomógrafo. Nessa hora, veio o desabafo: “talvez eu tinha cometido um erro, o de comprar o tomógrafo”, justificando que a manutenção e operação do equipamento são caras. A situação, de fato, foi tensa. E a tendência é piorar

Torcida Organizada

O comício de lançamento da campanha de Saulo Benevides, realizado na última sexta-feira, no Ribeirão Pires F.C. teve alguns momentos peculiares. Um deles, digno de nota, foi a movimentação digna de torcida organizada de alguns dos presentes. Animados com os discursos, abraçaram-se e iniciaram um animado “poropopó”, um canto típico da torcida do Corinthians, com uma mensagem de que o atual prefeito iria vencer e os outros iriam perder (não dessa forma educada, claro).

Maracujina

Falando em forma mal-educada, um candidato que anda se notorizando pelo seu destempero andou aproveitando o domingo para xingar os integrantes de uma candidatura rival. Segundo o já citado agente da SIA, além de desferir elogios às mães dos presentes, o cidadão trapalhão ainda mandou todos para um lugar não muito agradável. Maracujina nele!

Compartilhe