Além do Mais 19/05/2016

Reapareceu I

Depois de quatro anos escondida nas trevas da emissão de carteirinhas, a UJS, União da Juventude Socialista, enfim deu as caras. Na última terça, alguns de seus representantes compareceram à Sessão para cobrar a instalação da CEI da Saúde, que foi engavetada pelo presidente da Câmara, Zé Nelson (PMDB) e também relatar uma conversa mantida com o secretário de Saúde, Gerson Constantino, que teria dito (segundo eles) que a UPA Santa Luzia está “sucateada”, o que causou indignação em alguns vereadores.

Reapareceu II

Vale lembrar que a última vez que a UJS se fez presente foi às vésperas da última eleição para manifestar um polêmico apoio à então candidatura governista que, por sinal, também foi apoiada pelo seu “dono”, o PCdoB. De lá para cá, como já dito, desapareceu. Talvez tenha ficado ocupada com a lucrativa emissão de carteirinhas de meia-entrada, não é mesmo? Mas, antes tarde do que nunca, eles ameaçaram promover ocupações caso nenhuma providência seja tomada.

Escravos de Jó…

… jogavam caxangá. Tira, põe, deixa ficar… os versos da cantiga infantil foram entoados na sessão da última terça, de forma irônica, pela vereadora Diva do Posto (PR). Ela fez uso do cancioneiro para criticar mais uma reforma administrativa promovida pelo prefeito que, desta vez, realocou a pasta do Turismo, que voltou para a Secretaria de Esportes e Lazer (antes estava junto com a Desenvolvimento Econômico) e também a de Trânsito, que ficou vinculada à Defesa Civil. Irritada com tantas alterações (sempre enviadas em regime de urgência), antes da leitura, ela entoou os versos em protesto.

Língua falou…

Em entrevista ao Diário do Grande ABC, o prefeito Saulo Benevides (PMDB) deixou de lado sua habitual postura zen ao afirmar que fará uma nova tentativa de aprovar o projeto que cede a área da antiga Fábrica de Sal para a construção de um Shopping. Sem meias palavras, disse que “a grande maioria dos vereadores não entende o projeto. São burros”. Foi o que bastou para causar um princípio de revolta. A declaração pegou mal mesmo entre os aliados. Há quem diga que o prefeito deve ter sérias dificuldades para aprovar projetos daqui por diante…

Os 4 esses

Suor, Saliva e Sola de Sapato. Em tempos de campanha restrita, essa receita está sendo seguida à risca pelos pré-candidatos. Um dos que tem mais apostado nesta quadra é Renato Foresto, pré-candidato a prefeito pelo PT. Ele está nos bairros colhendo opiniões junto ao partido para definição de propostas a serem apresentadas futuramente. Se depois da tempestade brasiliense vem a bonança, ele está fazendo bem a lição de casa e voltando às origens do partido.

Compartilhe