Além do Mais – 17/11/2016

Ene-a-ô-til I

O fim do governo Saulo Benevides (PMDB) está sendo marcado pela melancolia. Não bastasse a falta de dinheiro, assuntos que, até então estavam “nas sombras” começam a ganhar a luz do dia. O mais novo é que membros importantes do atual governo tentaram “se bandear” de última hora, na véspera da eleição, ao se darem conta de que o Plano A e o “Plano D” elaborados pelo atual prefeito para manter seu grupo no poder haviam ido por água abaixo.

Ene-a-ô-til II

A ideia deles era manifestar apoio para ficar do lado vencedor e assim manter ao menos alguns cargos nas pastas que estão sob seu comando. Entretanto, obtiveram como resposta um sonoro “não”, além de um “passa moleque”, uma vez que comandantes e marinheiros do barco que eles escolheram para tentar abrigo não tinham (e nem têm) intenção de entrar em negociatas. Agora é correr para tentar “salvar o esqueminha”…

Retirada estratégica

A dura realidade pós-derrota está fazendo estragos consideráveis. Já antevendo tempos difíceis, o prefeito Saulo Benevides está pensando no futuro. E, nesta fase que está por vir, tudo será novo, até sua moradia. Segundo fontes, ele estaria inclusive cogitando a ideia de passar uma temporada considerável fora do país. A retirada estratégica seria uma forma de descansar a imagem e apostar que, em caso de insucesso do seu sucessor, poderia armar um “retorno triunfal” para um eventual segundo mandato em 2020.

Sem criatividade

Essa estratégia, diga-se de passagem, não é nova e lembra a adotada por Aidan Ravin, ex-prefeito de Santo André, que deixou o Paço Andreense tão desgastado com a opinião pública quanto Saulo. Aliás, coincidência ou não, entre a classe política, Benevides está sendo jocosamente chamado de “Aidan de Ribeirão”.

Ele voltará?

Após conquistar um bom terceiro lugar nas eleições de Mauá e ser deposto do PSDB após manifestar voto em Donisete Braga (PT), o ex-prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (sem partido) recebeu uma oferta pública de abrigo por parte de Campos Machado, presidente estadual do PTB, que o deseja de volta às fileiras do partido. A ideia é que ele se candidate a deputado (federal ou estadual) pela legenda nas próximas eleições, em 2018. Cabe lembrar que ele tem pendências com o TCE que o impediriam a se candidatar neste momento. Mas, como alguns fatos recentes comprovaram, nada é impossível na corte estadual. O “(ex?) ficha suja” Dedé da Folha que o diga…

Compartilhe