À volta ao trabalho não precisa ser um trauma para os filhos

Para muitas mães, a volta ao trabalho pode significar abandono, mas não é bem assim. Neste ano, uma pesquisa foi divulgada indicando que voltar ao trabalho em período integral apresenta melhoras nas condições de saúde. Este é o resultado de um estudo divulgado neste ano pelo Annual Meeting of the American Sociological Association (Reunião Anual da Associação Americana de Sociologia) que aconteceu nos Estados Unidos.

Para obter essa tese, foram analisados dados de 2.540 mulheres que haviam se tornado mães entre 1978 e 1995. Os fatores como saúde inicial, estar empregada antes da gravidez, etnia, ser mãe solteira, habilidades cognitivas e idade foram levados em conta. Ainda citando pesquisas, de acordo com um estudo da Universidade Columbia de Nova York, divulgado também este ano, o trabalho materno no primeiro ano de vida da criança não afeta significativamente seu desenvolvimento emocional ou sua capacidade de aprendizado no futuro.

O medo deve dar espaço para novas idéias, de como lidar com a nova situação. Pensando em facilitar ou até mesmo dar sugestões o Jornal Mais Noticias, criou uma lista com dicas eficientes para colocar ritmo em sua rotina.

1 – Confie: O cuidador escolhido pode ser alguém da família, uma babá ou uma escolinha. Tudo deve ser planejado e pensando com bastante calma para que não haja tanta insegurança, garanta que o escolhido esteja bem preparado isso é essencial.

2 – Deixe uma peça de roupa no berço do bebê: O olfato é um dos sentidos mais desenvolvidos em recém-nascido. Então ao sair para o trabalho, deixe uma peça de roupa dentro do berço à criança sentirá mais segurança.

3 – Direitos: Segundo a legislação que aborda as leis trabalhistas, artigo 389, § 1º os estabelecimentos em que trabalharem pelo menos 30 (trinta) mulheres com mais de 16 (dezesseis) anos de idade terão local apropriado onde seja permitido às empregadas guardar sob vigilância e assistência os seus filhos no período da amamentação.

Caso a empresa não possa instalar ou manter um berçário, poderá firmar convênios com creches ou até mesmo cobrir as despesas com a creche utilizada pela empregada (“auxílio-creche”).

4 – Honestidade: Não diga mentiras ao seu filho, explique que está indo trabalhar e que vai voltar. Jamais reclame do trabalho, pois, pode fazer entender que você prefere ir a um lugar que não gosta em vez de estar em casa.

5 – Compensação: A culpa pode ser seu maior vilão, não caia na armadilha da compensação. Diga não sempre que for necessário e não torne o habito de dar presentes rotina. Não cometa o engano de achar que trabalhar é faltar como mãe
6 – Final de semana: Curta ao máximo o tempo com seu filho, brinque, dê banho, troque a fralda, curta, dê bronca, passeie, se canse. Os momentos em que você está casa devem ser passados com a criança.

As dicas acima são apenas para lembrar que é possível conciliar o trabalho integral a realização profissional de mãe, mas, infelizmente, temos que contar com imprevistos do dia a dia e procurar a melhor forma de lidar com eles. Vale a sensibilidade e o instinto de mãe. Siga seu coração!

Compartilhe