Mathilde Portela: uma vida dedicada à filantropia

Mathilde Chiedde Portela nasceu no dia 19 de maio de 1922, em Ribeirão Pires. Filha de Abdalla Chiedde e Nefage Chiedde, casou-se com Armando Portela, com quem teve dois filhos:  Armando Augusto Portela Neto, casado com Vera Cabral Portela;  e José Augusto Portela, casado com Aguida Laurentino N. Portela. É avó de seis netos: Victor Augusto Portela, Tadeu Augusto Portela e Matheus Augusto Portela (filhos de José Portela e Aguida) e Ana Carolina Portela, Caio Augusto Portela e Isabela Portela (filhos de Armando e Vera).

Dona Mathilde ao lado dos filhos, noras e netos

Dona Mathilde tem uma atuação de destaque na cidade: meio século dedicado aos objetivos da “ASFAR” – Associação das Famílias de Rotarianos de Ribeirão Pires.

Tudo começou quando, em 12 de março de 1959, um grupo de senhoras – a maioria esposas e familiares dos sócios do Rotary Club de Ribeirão Pires, cuja fundação oficial tinha sido concretizada em 28 de fevereiro de 1959 – se reuniu com o objetivo de fundar a “ASFAR”.

Inicialmente, as reuniões da “ASFAR” se realizaram na residência do saudoso sócio honorário do Rotary Club de Ribeirão Pires, Comendador Abdalla Chiedde e sua filha Mathide Chiedde Portela, sendo sua fundação com sede e foro na cidade de Ribeirão Pires.

Mathilde Portela, durante atividades Rotárias

A “ASFAR”, após sua fundação, iniciou em parceria com o Rotary um importante trabalho social na comunidade nas Arcas da Filantropia, da cultura no esporte através do pedestrianismo, assistir das muitas famílias carentes com cestas básicas, cadeiras de rodas, agasalhos, enxovais para recém-nascidos de famílias carentes, e através de eventos esportivos e sociais arrecadando recursos financeiros aplicados anualmente para compra de brinquedos natalinos para mais de 600 famílias cadastradas na comunidade pelo estado de pobreza, além de colaborar com as autoridades constituídas na proteção a infância e na formação moral e cívica da juventude, assim como o amparo à velhice.

No decorrer de todos os anos da existência da “ASFAR”, o quadro social perdeu várias associadas. Em contrapartida, ampliou-se com novas pessoas e, entre todas, a única associada fundadora que permanece até hoje é a senhora Mathilde Chiedde Portela, que nestes 52 anos de existência da “ASFAR” esteve sempre presente participando da Diretoria Administrativa e em todas as atividades sócias da entidade.

Compartilhe