“Expectativa é a melhor possível”, fala cantor do Roupa Nova sobre show no Festival do Chocolate

Trinta anos de sucesso, marcando a história de personagens de novelas e da vida real. Esse é o saldo atual da banda Roupa Nova, que se apresenta neste sábado (30), na sétima edição do Festival do Chocolate. Essa será a segunda apresentação do grupo no evento (a primeira foi em 2008) e promete, como na vez anterior, ser um dos melhores shows, já que os ingressos foram os primeiros a esgotarem.

Roupa Nova comemora trinta anos de sucesso ininterrupto

Em entrevista exclusiva ao Mais Notícias, Serginho Herval, cantor e baterista do Roupa Nova, fala sobre as três décadas de uma das carreiras mais vitoriosas e sólidas da música popular brasileira e o que a banda trará à plateia ribeirão-pirense.

Mais Notícias – São 30 anos de carreira com formação original do grupo e sucesso ininterrupto. Qual o segredo disso tudo, já que é raro uma banda manter todos os integrantes à um longo período, com tanto sucesso.

Serginho Herval – Manter uma banda por tanto tempo junto e ainda com a mesma formação torna-se uma tarefa quase que impossível se o grupo não procurar valorizar a sua carreira como banda e não como valores individuais. A nossa relação pessoal é baseada em demarcações de terreno, ou seja, cada um sabe até onde pode ir nas suas opiniões, sem que tenhamos que ferir uns aos outros. Pelo fato de convivermos há muitos anos juntos, pelo menos, 12 horas por dia, acabamos aprendendo a administrar a nossa relação pessoal.

Mais Notícias – Do início da banda até hoje, muita coisa mudou no mercado musical. Na sua opinião, quais foram as maiores mudanças e como o Roupa Nova se adaptou á elas?

Serginho Herval – Desde 2002 vínhamos tentando, junto à gravadora, a realização do projeto Roupacústico. Foram inúmeras reuniões que de nada serviram, baseado no investimento que teria que ser feito. Diante dessa situação, que já se arrastava por dois anos, decidimos pedir a nossa rescisão contratual. Acordamos tudo de forma correta e partimos pra nossa caminhada “solo”. Viramos seis empresários de um selo, até então, desconhecido. Ficamos respirando esse

Serginho Herval, cantor e baterista do Roupa Nova, fala das conquistas da banda nessas três décadas de carreira

oxigênio por muitos meses até conseguirmos colocar, no mercado, a nossa marca com credibilidade. Tem sido assim desde 2004. E o que mais nos honra é que o Grammy foi concedido a nós pelo trabalho realizado dentro do nosso próprio “terreno”, ou seja, concedido a um projeto totalmente idealizado dentro da nossa humilde verdade e independência, sem a interferência das “multinacionais”. O resumo dessa história é:  O trabalho e a responsabilidade triplicaram, mas o sabor e o prazer da vitória são incontestáveis.

Mais Notícias – Quais foram as maiores conquistas da banda até hoje? Falta conquistar mais alguma coisa?

Serginho Herval – O Grammy demorou muito a chegar à nossa vida, mas como tudo que conquistamos até aqui, veio de forma muito lenta, mas sólida, não posso me queixar. Quando se constrói uma carreira sólida de 30 anos, não podemos nunca achar que o nosso trabalho terminou, ou seja, missão cumprida. Não é assim que o Roupa Nova pensa. Em vários momentos da nossa história nos deparamos com grandes vitórias e conquistas, mas nunca nos demos por satisfeitos. Sempre há algo a se buscar, a se criar.

Mais Notícias – Há 30 na estrada, o que essa trajetória acrescentou em sua vida? Quais foram os maiores aprendizados que ela lhe trouxe?

Serginho Herval – Se existe algum tipo de receita, eu diria que nunca nos deixamos influenciar por estilos musicais que estivessem em evidência, na moda. Pelo contrário, procuramos sempre caminhar no sentido inverso ao modismo, buscando manter a nossa “identidade” sonora, independente se aquela canção faria ou não sucesso. Correr atrás de sucesso, muitas vezes, acaba te levando a uma falsa identidade e isso é muito perigoso até hoje. Creio que isso nos fez mostrar ao nosso público uma verdade, uma sinceridade no que fazemos até agora e eles perceberam.

Mais Notícias – De todas as músicas do grupo, dá pra escolher uma preferida?

Serginho Herval – Fica difícil estabelecer uma preferida. Todas são como filhos

Mais Notícias – O que o público do Festival do Chocolate pode esperar da apresentação do Roupa Nova, nesse momento tão especial onde a banda comemora trinta anos de carreira?

Serginho Herval – A expectativa para esse show é a melhor possível. Estamos comemorando 30 anos de carreira trazendo na bagagem os sucessos que marcaram época, algumas canções inéditas e agora com versões ao vivo com orquestra sinfônica. O show, sem dúvida, será uma homenagem com muito romantismo a todos que lá estiverem.

Compartilhe